Ficou para semana que vem a decisão sobre a volta às aulas presenciais em Belo Horizonte. Nesta quarta-feira (24), os membros do Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19 se reuniram na prefeitura para analisar os dados da pandemia na capital mineira. Porém, o martelo não foi batido.

De acordo com a PBH, os bons resultados das estratégias e restrições utilizadas do início do ano até agora foram constatados pelo grupo. No entanto, o adiamento ocorreu por medida de segurança e para garantir a continuidade da estabilidade dos indicadores epidemiológicos.

“Nos próximos dias poderão ser observados os dados de eventuais impactos das viagens realizadas no Carnaval. Esse cenário, junto ao quadro geral da pandemia no interior do Estado de Minas, condicionará as datas de retorno às aulas para crianças de até 5 anos e 8 meses”, disse a PBH através de nota.

Secretaria já se adiantou

Antes mesmo da decisão da administração municipal, a Secretaria de Educação já se adiantou e enviou um ofício aos professores para orientar os servidores com algum problema de saúde que possa ser agravado pelo coronavírus a procurarem um médico e solicitarem a emissão de laudo sobre a impossibilidade de trabalho presencial, se for o caso. 

Na segunda-feira (15), os pais de alunos do Ensino Infantil matriculados nas escolas da rede municipal receberam um questionário para avaliar a adesão das famílias em um eventual retorno. Os números ainda não estão fechados, mas, segundo a subsecretária municipal de Educação, Natália Araújo, “muita gente” tem respondido que prefere aguardar.

Leia mais:

Volta às aulas presenciais em Minas será facultativa e seguirá modelo híbrido
Vacina contra a Covid, criada pela UFMG, deve ser testada em humanos no 2° semestre