A Prefeitura de Belo Horizonte prorrogou, por 90 dias, o projeto Canto da Rua Emergencial, que oferece atendimento provisório a pessoas em situação de rua, durante a pandemia do novo coronavírus.

A iniciativa funciona na Serraria Souza Pinto com acolhida, atendimento técnico psicossocial, acesso a espaços e materiais para higienização, banho, lavagem de roupas e lanche. 

Segundo a PBH, diariamente o projeto atende aproximadamente 600 pessoas e desde a sua implantação já foram atendidas mais de 5,4 mil pessoas que utilizam a rua como um espaço de moradia e, ou, sobrevivência, totalizando mais de 100 mil atendimentos. Outras 158 pessoas também acessaram o Projeto com o acolhimento em Pousadas, garantido espaço de repouso e cuidados provisórios.

Até setembro do ano passado, a iniciativa contava com recursos da iniciativa privada, mas agora é custeado integralmente pela prefeitura, o que representa um custo mensal de cerca de R$ 450 mil. “Nós vamos continuar o serviço que nós assumimos desde que acabou o convênio (com a iniciativa privada) na Serraria Souza Pinto. Estamos vendo que até março não vai dar, e nós vamos assumir até que essa pandemia passe”, afirmou o prefeito Alexandre Kalil.