Um homem, de 41 anos, foi preso suspeito de abusar sexualmente de uma mulher, de 49, em Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo informações passadas pela Polícia Civil nesta terça-feira (16), ele já havia sido condenado anteriormente por outro abuso sexual e usava tornozeleira eletrônica.

O crime foi cometido na noite de 22 de janeiro, no bairro Serra Dourada, na cidade da Grande BH. Na ocasião, a vítima estava em um ponto de ônibus, a caminho da igreja, quando foi abordada pelo suspeito. Ele estava em um carro Monza e pediu informações à mulher sobre como chegar a um determinado destino. Enquanto tentava explicar, a vítima foi surpreendida pelo homem, que colocou a mão na cintura para simular que estava armado e determinou que ela entrasse no veículo.

Segundo informou a vítima à Polícia Civil, o suspeito disse que “encheria a cara dela de balas e que ela morreria ali mesmo. Ele dirigiu com a vítima por cerca de 20 minutos e durante todo o percurso passou a mão no corpo dela, levantou o vestido e a ameaçava. Ele colocou a mão na boca para que ela não gritasse”, contou a delegada que companha o caso, Nicole Perim.

Ainda conforme a delegada, após dirigir, o homem parou o carro em uma via de terra e tentou abusar sexualmente da vítima pela primeira vez. "Ele deitou o banco, levantou o vestido dela e tentou deitar em cima dela. Só que ela estava usando uma cinta compressiva, então o autor não conseguiu manter relação com ela dentro do veículo”, detalhou.

O homem, então, determinou que a mulher saísse do carro, abaixou a calça dele, colocou preservativo e ordenou que a vítima passasse as mãos no corpo dele e o masturbasse. Ele tirou o vestido e o sutiã da mulher para mais uma tentativa de abuso, mas não conseguiu tirar a cinta novamente.

“Ela chorava muito e disse que tinha passado por uma cirurgia, estava com muitos pontos e sentindo muita dor. Ele ficou nervoso e mandou que ela fosse embora”, disse a delegada Nicole Perim.

O autor saiu do local levando uma sacola com pertences da vítima, como uma Bíblia Sagrada, um óculos para leitura e um celular. “Assim que a Delegacia tomou conhecimento desse crime, iniciamos intensas investigações, percorremos todo o caminho com a vítima, analisamos câmeras de segurança e entrevistou possíveis testemunhas", contou a policial.

Suspeito nega acusações

Ao ser preso, na última sexta-feira, o suspeito negou o abuso à polícia e disse que a vítima teria pedido carona para ir até a igreja, mas que não soube informar o endereço do local. “Ele confirmou que estava dirigindo o veículo. Disse que no caminho perguntou para ela se ‘rolaria alguma coisa entre eles’. Diante da negativa, pediu que ela saísse do carro”, explicou.

O homem é investigado como autor em outras três ocorrências de crime de estupro, mas nega ter mantido relações com qualquer uma das mulheres em questão.

“Ele alega a mesma coisa, que parou para pedir informação, a vítima pediu carona e ele nega ter mantido relação com qualquer uma dessas mulheres. Esse sujeito já foi condenado há 28 anos de prisão por um crime de estupro, três crimes de roubo e um crime de falsificação de documentos e digura como autor em diversas outras ocorrências. Ele foi preso em 2008, fugiu, foi recapturado em 2009 e ficou preso até ano passado. Em 2020, ele foi colocado em liberdade com o uso de tornozeleira eletrônica", concluiu Nicole.

A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do homem, onde foi encontrada a capa do celular da vítima. Os demais pertences dela não foram localizados.

A corporação acredita, ainda, que o homem possa ter feito outras vítimas. “Não tivemos autorização para mostrar a imagem dele, mas, de qualquer forma, fica o apelo: se alguma mulher tiver sido vítima de algum crime semelhante a esse, que procure a delegacia para que possamos tomar as providências o mais rápido possível", finalizou.

Leia mais: 
Jovem armado é preso em baile funk com mais de 80 pessoas em Contagem
Com onda de assaltos, sequestros e assassinatos, motoristas de app clamam por proteção
Suspeito de tráfico é assassinado com 10 tiros no Morro das Pedras