A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu um empresário suspeito de praticar descarte irregular de lixo hospitalar na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

De acordo com a polícia, o homem de 61 anos é reincidente no ilícito, e vem sendo investigado há quatro meses pelo Departamento Estadual de Investigação de Crimes contra o Meio Ambiente (Dema).

Ainda segundo a PC, a companhia tem como principal atividade o tratamento de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Tais descartes são do chamado grupo A, com presença de agentes biológicos, que podem apresentar risco de infecção; e também do grupo E, compostos de materiais perfurocortantes.

Conforme o delegado responsável pelo caso, Luiz Otávio Braga Paulon, a operação, batizada como Trashed, teve como objetivo coletar elementos que comprovem a prática de irregularidades em relação à legislação ambiental, que também atentam à saúde pública.

“Para tanto, apreendemos documentos, computadores, celulares e conseguimos identificar, ainda, testemunhas e suspeitos”, destacou o delegado. “Devido às suas características físicas, químicas e biológicas, os RSS necessitam de manejo diferenciado para a disposição final adequada”, completou.

Durante a ação policial também foi constatada uma série de irregularidades que culminaram em autos de infrações na esfera administrativa no valor de R$ 199.665.

O subsecretário de Fiscalização Ambiental da Semad, Cezar Augusto Fonseca e Cruz, informou que as infrações administrativas incluem armazenamento inadequado de resíduos biológicos e de saúde, transporte irregular dos RSS, além de tratamento inadequado do lixo. “Estamos finalizando o trabalho de embargo do empreendimento, já com um cronograma de desativação para que essas operações cessem por completo”, afirmou Cruz.

Segundo a PCMG, o suspeito, conduzido em flagrante, não pagou a fiança no valor de R$ 110 mil e foi encaminhado ao sistema prisional.