A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) enviou nesta quinta-feira (28) um ofício à Prefeitura de Belo Horizonte solicitando que não seja decretado ponto facultativo no Carnaval, entre os dias 15 e 17 de fevereiro. 

“Como não estão previstas comemorações na cidade em decorrência da pandemia do coronavírus, defendemos que é possível o pleno funcionamento do comércio entre os dias em que seria realizada a festa”, defendeu Marcelo de Souza e Silva, presidente da entidade. 

Ainda de acordo com Souza e Silva, “mesmo que a oficialização ou não de pontos facultativos recaia somente sobre o expediente do setor público, sabemos que, por um entendimento geral, isso tende a ser seguido pelos demais setores. Logo, a não oficialização permite que os setores de comércio e de serviços funcionem plenamente nessas datas”.

A CDL voltou a solicitar à administração municipal a revogação imediata do decreto que determinou o fechamento das atividades não essenciais. “O pedido é mais uma medida da CDL/BH para fazer com que o comércio da capital possa se reerguer depois de contínuas perdas e fechamentos impostos pela Prefeitura”, enfatiza o presidente. 

Marcelo de Souza e Silva também propôs ao Sindicato dos Empregados no Comércio de Belo Horizonte e região Metropolitana (SECBHRM) que seja alterada a Convenção Coletiva 2020/2021, para autorizar que os funcionários do comércio possam trabalhar no dia 15 de fevereiro, data para a qual é transferida, segundo a convenção, a comemoração do Dia do Comerciário.

A entidade informou ainda que recorreu à Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e solicitou que a mesma faça tratativas com a Federação Brasileira de Bancos (Febrabam) para que ocorra o total funcionamento das agências bancárias entre os dias 15 e 17 de fevereiro. O objetivo é alinhar o funcionamento do comércio com as instituições bancárias, facilitando o serviço de pagamentos e transações financeiras dos comerciantes.