Esperança e gratidão são os sentimentos que tomaram conta da enfermeira Salma Elisa Attoni, ao receber, nesta semana, a primeira dose da Coronavac, vacina contra a Covid-19. Coordenadora da UTI de Isolamento Respiratório da Santa Casa de Belo Horizonte, ela diz que, nestes dez meses de pandemia, a espera pelo imunizante era grande. “Achávamos que não ia chegar tão rápido e foi uma alegria enorme, porque temos visto muito sofrimento”, diz.

A unidade onde trabalha, explica a enfermeira, tem 50 leitos destinados a doentes graves, tanto com suspeita ou já diagnosticados com a enfermidade causada pelo novo coronavírus.  “Atendemos a casos muito graves, a maioria está entubado, precisa do protocolo de prona (virar de bruços, para respirar melhor). É um tipo de paciente com que a gente nunca tinha trabalhado, tudo muito novo, estamos descobrindo ainda algumas coisas sobre a doença. Eles chegam aqui bem mais graves do que a gente estava acostumado a atender, por ser uma doença nova, sobre a qual há poucos estudos, e um vírus perigoso. O manejo desse paciente é muito recente, não tem um ano ainda”, detalha Salma Atonni.

“Atendemos a casos muito graves, a maioria está entubado, precisa do protocolo de prona (virar de bruços, para respirar melhor). É um tipo de paciente com que a gente nunca tinha trabalhado, tudo muito novo"

Luta continua

Segundo a profissional, muitos doentes melhoram, “mas perdemos muitos e há funcionários afastados com a Covid-19. A vacina surge como uma luz. Sua chegada trouxe um sentimento indescritível, uma alegria enorme. Sabemos que a luta não acabou, que é o primeiro passo para vencermos essa pandemia”, pondera.

A Santa Casa informou ter recebido, na última terça-feira (19), 3 mil doses da Coronovac, para imunização, inicialmente, de servidores dos CTIs dos  hospitais Respiratório e Geral e das enfermarias de Covid do Hospital Respiratório. Até está quarta-feira (20), 1.500 funcionários haviam sido protegidos. “A gente vê o brilho nos olhos deles. Há muito tempo eu não via isso nos olhos das pessoas”, celebra Salma Attoni.

"Eles chegam aqui bem mais graves do que a gente estava acostumado a atender, por ser doença uma nova, sobre a qual há poucos estudos, e um vírus perigoso"

Alívio no medo

A enfermeira acredita que, a partir da vacinação, profissionais de saúde da linha de frente vão trabalhar com um pouco menos de receio. “A gente fica muito tenso, com medo de levar o vírus para a família, de ver a equipe adoecer. A gente tem esperança de que daqui a pouco, com mais pessoas vacinadas, vão diminuir os números de internações”, avalia.

Salma revela que, nestes dez meses de trabalho direto com pacientes graves de Covid-19, encontrou o pai, de 66 anos, só duas vezes, para preservá-lo.

Leia mais:

Minas confirma 214 mortes por Covid em 24 horas e atinge a maior marca desde o início da pandemia

Vacina só deve chegar a todas as cidades de Minas na sexta

Minas investiga 41 casos da síndrome inflamatória infantil ligada à Covid-19