A restrição aos serviços não essenciais será mantida em Belo Horizonte nos próximos dias. Porém, uma reabertura parcial do comércio poderá ser autorizada a partir da semana que vem, segundo representantes do setor. Uma proposta de funcionamento às quintas, sextas, sábados e domingos estaria sendo analisada pela prefeitura. 

Na tarde dessa quarta-feira (20)  o prefeito Alexandre Kalil e secretários se reuniram por quase duas horas com representantes da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas) e dos sindicatos dos Lojistas (Sindilojas-BH) e de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (Sindibares).

O Executivo municipal ainda não se manifestou. Um novo encontro entre a prefeitura e representantes do setor comercial está marcado para a próxima semana.

Conforme os lojistas, a proposta prevê o funcionamento de todas as atividades econômicas, incluindo bares e restaurantes. Segundo os comerciantes, a reabertura se daria em forma de rodízio, por exemplo, com quatro dias em funcionamento e três fechados.

IPTU

A PBH prorrogou o prazo para o pagamento do IPTU de 2020. Agora, o imposto pode ser pago até dezembro. A classe empresarial, no entanto, pleiteou a isenção completa do tributo do ano passado. 

De acordo com o presidente do Sindlojas/BH, Nadim Donato, a renuncia fiscal chegaria a R$ 150 milhões. Segundo ele, essa seria uma contrapartida da prefeitura ao comércio pelos prejuízos causados pelo inatividade durante a quarentena. 

“O empresariado não tem dinheiro hoje para pagar a folha. Precisamos desta isenção. É com certeza absoluta uma forma da prefeitura recompensar o comércio pelas perdas que tivemos durante o período de inatividade”, disse o presidente do Sindlojas.

Leia mais:

Belo Horizonte registra 45 mortes por Covid-19 em 24 horas; taxa de ocupação de UTIs volta a subir

Hotéis quase às moscas: ocupação no setor em Minas despenca com pandemia; houve 25 mil demissões