Emergencial e restrita. Assim será a campanha de vacinação contra a Covid-19 não só em Minas, mas em todo o país. Apesar do aval dado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a utilização da CoronaVac, não há como proteger toda a população por enquanto.

Apenas os chamados grupos prioritários devem receber as doses nos próximos meses. A imunização será composta por três fases, sendo que cada uma pode durar cerca de um mês. As informações estão no Plano Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde.

Em Minas, a imunização começa nesta segunda-feira (18), após a chegada dos imunizantes ao Aeroporto Internacional de Confins, na Grande BH. A expectativa é que cerca de 280 mil pessoas recebam a primeira dose até o fim desta semana. Já a segunda dose deve ficar para meados de fevereiro.

Confira as etapas de vacinação:

1ª fase
Trabalhadores da Saúde; pessoas de 60 anos ou mais que vivem em asilos; pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência que estão em instituições de apoio e população indígena com terras demarcadas.

Inicialmente, os idosos com mais de 75 anos estavam na lista de prioridade no Plano de Vacinação divulgado pela Ministério da Saúde, entre os primeiros que seriam vacinados. No entanto, o grupo não será imunizado em um primeiro momento. A informação consta no informe técnico divulgado pela pasta.

Ainda não há previsão para a data de vacinação dos idosos em questão. O Hoje em Dia entrou em contato com o Ministério da Saúde e aguarda um posicionamento sobre o assunto.

2ª fase
Pessoas de 60 a 74 anos.

3ª fase
Pessoas com comorbidades como diabetes, hipertensão arterial grave, doenças pulmonar crônica, renal e cardiovascular; quem passou por transplante de órgão sólido e pessoas com anemia falciforme, câncer e obesidade grave.

Grupo não prioritário
Quem não faz parte dos grupos citados só irá receber a dose após o fim das três primeiras etapas. O governo estima a imunização da população geral pode levar até 12 meses. 

Não deverão receber a vacina contra a Covid-19 menores de 18 anos, gestantes e pessoas que apresentaram reação anafilática confirmada a qualquer componente do imunizante.

“Não existe ampla disponibilidade da vacina no mercado mundial. O objetivo passa a ser focado na redução da morbidade e mortalidade pela Covid-19, de forma que existe a necessidade de se estabelecer grupos prioritários para a vacinação”.

Leia mais:
Bolsonaro diz que vacina contra a Covid-19 'é do Brasil, não de nenhum governador'
Zema afirma que professores serão incluídos em grupos prioritários da vacinação contra a Covid-19
Registro de aplicação da vacina contra Covid será obrigatório; medida vale para o SUS e rede privada