O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou sobre a aprovação do uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19 no Brasil, a CoronaVac e a Oxford/Astrazeneca, na manhã dessa segunda-feira (18). Foi a primeira vez que ele aparereu após a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Durante o comunicado, feito a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, afirmou que o imunizante “é do Brasil, não de nenhum governador”, referindo-se ao São Paulo, João Dória (PSDB), que iniciou a vacinação no estado logo após o aval da Anvisa, ainda no domingo.

"Apesar da vacina...Apesar, não. A Anvisa aprovou, não tem o que discutir mais. Agora, havendo disponibilidade no mercado, a gente vai comprar e vai atrás de contratos que fizemos também, que era para ter chegado aqui. Então, está liberada a aplicação no Brasil. E a vacina é do Brasil”, disse Bolsonaro.

Vacinação deve começar nesta segunda em Minas

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), informou que vacinação contra o novo coronavírus no Estado deve começar hoje. As 561 mil doses da devem chegar a Belo Horizonte, na Rede de Frio, na Gameleira, região Oeste da capital.

Em seguida, serão distribuídas às 28 regionais de saúde do Estado. O governo ainda não detalhou quem serão as primeiras pessoas a serem vacinadas.

Leia mais:
Zema afirma que professores serão incluídos em grupos prioritários na vacinação contra a Covid-19
Zema diz que toda a população mineira será vacinada até o meio do ano: 'com certeza'
Registro de aplicação da vacina contra Covid será obrigatório; medida vale para o SUS e rede privada