Destacaram-se no primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, neste domingo (17), os estudantes que estiveram “antenados” durante a preparação para as provas. Essa é a avaliação do professor José Eustáquio Simões, coordenador do curso Pré-Enem Promove, em Belo Horizonte, que comentou sobre o primeiro fim de semana dos testes.

Ditadura na Nigéria, diferenças salariais entre gêneros e assuntos referentes às barragens foram alguns dos temas abordados, segundo o docente. “Na prova de inglês também apareceu o feminismo”, disse. 

“As pessoas que acompanharam os cursos ou estudaram por conta própria, mas que ficavam antenadas no que está acontecendo, estudaram todos esses temas”, comentou o coordenador do Pré-Enem.

Redação

Em relação à redação, mais atualidade. Nesta edição, o tema foi “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”, com sugestão para dissertar sobre depressão.

De acordo com José Eustáquio, nesta prova, a técnica é mais importante que o próprio assunto abordado. “Se você está preparado e antenado com o que aconteceu no Brasil e no mundo, qualquer assunto é possível aplicar as técnicas que aprendeu e tirar uma boa nota”, disse.

Faltas

Apesar de o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não ter divulgado o índice de abstenções até o início desta noite, José Eustáquio Simões disse que os relatos de estudantes sobre as faltas chamaram a atenção. 

“Pode ser que seja, ainda não temos os números para afirmar, o Enem que teve a maior quantidade de faltas na história”, frisou.

Confira o vídeo com a análise do professor José Eustáquio Simões:

Leia mais:
Tema da redação segue linha adotada em edições anteriores do Enem
Fim do primeiro dia de Enem tem aglomeração na porta de faculdade em BH
Tema da redação do Enem 2020 agradou alunos que prestaram o exame em BH