Alberto Ribeiro

Jornalista Alberto Ribeiro, de BH, recebe a primeira dose da vacina contra a Covid-19 da farmacêutica Moderna

O mineiro de Belo Horizonte Alberto Ribeiro, de 37 anos, recebeu nesta sexta-feira (15), em Toronto, no Canadá, a primeira dose da vacina contra a Covid-19 da farmacêutica americana Moderna. A sensação descrita por ele é de alívio e esperança. Em 21 dias, Alberto, que é jornalista, tomará a segunda dose, que deve garantir a imunização contra o novo coronavírus.

Alberto Ribeiro já trabalhou como repórter do caderno de Esportes do Hoje em Dia e, há quase dois anos, vive no Canadá, onde é funcionário de um asilo, o que lhe garantiu o direito de acesso à vacina entre os grupos considerados prioritários na campanha de imunização no país da América do Norte.

Esposa aguarda

Ele conta que atua ajudando a manter a mente dos idosos ativa e, também, na área de comunicação do asilo. A esposa de Alberto, que também é mineira, ainda não foi imunizada e só deverá receber a vacina, na previsão dele, assim que o governo canadense disponibilizar o medicamento para a população em geral.

Por enquanto, revela Alberto Ribeiro, o Canadá oferece vacinas a idosos e a trabalhadores das áreas de saúde, de segurança – como policiais e bombeiros – e funcionários de asilos. País com pouco mais de 38 milhões de habitantes, o Canadá registra quase 700 mil infectados pelo novo coronavírus desde o começo da pandemia, com 17,7 mil óbitos.

Alberto Ribeiro

Alberto Ribeiro está nos grupos prioritários da vacinação no Canadá por trabalhar em um asilo da cidade de Toronto

Alberto Ribeiro, que se mudou para o país com o objetivo de investir nos estudos, revela que o Canadá está em lockdown, com fechamento de todos os serviços não essenciais, e a polícia chega a abordar pessoas que circulam pelas ruas, questionando o motivo de não estarem em casa.

Apoio financeiro

O jornalista mineiro informa que o governo canadense estaria oferecendo apoio financeiro à população e a empresas, para que seja mantido o distanciamento social.

As vacinas oferecidas no país atualmente, diz ainda, seriam a da Pfizer (farmacêutica multinacional com sede nos EUA) - cuja aplicação é feita em um endereço determinado e deve ser agendada, tendo em vista a logística de refrigeração exigida para a manutenção do medicamento – e a da Moderna, que é levada aos públicos considerados prioritários.

Falta solidariedade no Brasil

Ribeiro diz lamentar a situação do Brasil, acompanhada por ele de longe, em que considera exemplos muito ruins para a saúde da coletividade ver o presidente da República andando sem máscara, pessoas indo para a praia e fazendo festas, se aglomerando. “Infelizmente, falta senso de comunidade no Brasil, falta pensar no  próximo, e as pessoas acham que é tudo normal”, lastima.