Mais de cem estabelecimentos foram inspecionados pela força-tarefa da prefeitura de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, durante o fim de semana, após o município ampliar o cerco para garantir o cumprimento das normas de combate ao avanço da Covid-19.  

A ação - que mirou as regiões do Centro, Alterosas, PTB e Imbiruçu - foi deflagrada após denúncias de moradores no disque-denúncia do WhatsApp em 124 estabelecimentos e cinco bares interditados por funcionamento fora do horário estipulado pelo decreto e falta do alvará sanitário e de localização.

O maior número de autuações foi em consequência de aglomerações, descumprimento das normas de biossegurança e desobediência ao horário limite de funcionamento previsto em decreto. 

Segundo a prefeitura, no bairro Filadélfia, um bar foi multado e lacrado por falta de alvará após vizinhos do comércio enviaram diversos vídeos e fotos que comprovam eventos clandestinos, mesmo com decretos vigentes proibindo qualquer tipo de festa com mais de 24 pessoas na cidade.

A multa para quem descumprir a regra pode variar entre R$ 4 mil e R$ 90 mil. Além disso, o espaço onde o evento clandestino for realizado será lacrado por 120 dias. 

Além disso, neste domingo (10), a Guarda Municipal retornou em um estabelecimento interditado na noite anterior, no bairro Niterói, e multou novamente o proprietário por reincidência. 

Canais de reclamação

O município também criou novo canal para denúncias de festas clandestinas e aglomerações e duas novas linhas no WhatsApp que atuarão como disque-denúncia, com atendimento 24 horas. A população pode enviar fotos, vídeos e localização de funcionamento irregular de festas, eventos e estabelecimentos pelos números (31) 98644-7700 e (31) 99966-2480.

Além do WhatsApp, as denúncias também podem ser feitas por meio da Ouvidoria Municipal, nos telefones (31) 3512-3453 ou (31) 3512-3315 ou no e-mail faleouvidoria@betim.mg.gov.br.