A Vara de Execuções Penais de Belo Horizonte suspendeu por 60 dias a obrigatoriedade do reconhecimento facial periódico aos condenados contemplados pelo benefício na capital mineira.

O sistema é utilizado por quase 9 mil sentenciados cadastrados, do regime semiaberto e alguns do fechado. O recurso agiliza a apresentação dos condenados à Justiça que devem cumprir a obrigação periodicamente.

Reconhecimento facial presos TJMG

Recurso agiliza a apresentação dos condenados à Justiça que devem cumprir a obrigação periodicamente

Contra a Covid-19

Assinada pelo juiz Luiz Carlos Rezende e Santos, a portaria, que começou a valer nessa sexta-feira (8), leva em conta a pandemia ao impor outras medidas contra a disseminação da Covid-19 na cidade, sobretudo nas unidades prisionais. A visitação, por exemplo, fica limitada a um familiar por detento. 

Presos que não receberam visita também terão direito a usar o celular para fazer viodeconferência e ter contato com a família. A determinação vale para todos os presídios de BH.

As medidas foram motivadas pelo recente decreto municipal assinado pelo prefeito de BH, Alexandre Kalil, e que passa a valer na próxima segunda-feira (11), com restrições às atividades comerciais.

*Com informações do TJMG

Leia mais: 

Professores de federais mineiras e instituições nacionais apoiam decreto que fecha comércio em BH

Com 8.399 novos infectados, Minas bate recorde de casos de Covid em 24 horas