A Prefeitura de Juiz de Fora, na Zona da Mata, anunciou que o município publicará um novo decreto que endurece o funcionamento do comércio e que passa a vigorar no próximo sábado (26). A partir desta data, o município irá regredir para a onda vermelha do plano Minas Consciente e apenas serviços essenciais como supermercados e farmácias estão autorizados a funcionar. A princípio, a medida deve ter duração de 14 dias.

A decisão foi tomada após reunião do Comitê Municipal de Enfrentamento da Covid-19, na noite desta terça-feira (22). De acordo com o executivo, a regressão ocorre após a evolução da doença na cidade e o esgotamento dos profissionais de saúde. "Nós não conseguimos contratar equipes médicas. Os atuais estão afastados, seja por Covid ou por problemas psicológicos. Novos leitos e a compra de respiradores são medidas que podem ser tomadas, mas não tem profissional para trabalhar", informou a prefeitura.

No último dia 3 de dezembro, a PJF chegou a informar que voltaria para a etapa mais restritiva do plano estadual, por conta do aumento do número de casos e internações na cidade, mas voltou atrás após uma reunião do grupo. Com isso, a cidade continua na onda amarela até sexta-feira (25). 

Segundo informações do executivo, as medidas agora podem ser ainda mais restritivas, atingindo outros serviços além daqueles restritos no programa Minas Consciente.  

Pandemia em Juiz de Fora 

A taxa de ocupação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da rede privada na cidade chegou a 98,18% nesta terça. Já da rede pública está em 84,77%. Ainda conforme a administração municipal, 414 pacientes estão internados em hospitais públicos e particulares em decorrência da doença. Deste total, 147 pessoas ocupam leitos de UTI e 272 estão em enfermarias.

A cidade registrou mais seis mortes por Covid-19 segundo o boletim municipal desta terça. Com isso, o município tem 454 óbitos pela doença. O levantamento contabiliza mais 12.824 casos confirmados e quase 43 mil suspeitos.