A ocupação de leitos de terapia intensiva reservados a pacientes com Covid, em Belo Horizonte, continua subindo e está em um patamar alarmante, de acordo com dados apresentados no boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura nesta terça-feira (22). A taxa de ocupação chegou a 76,5%, enquanto no dia anterior era 70,1%.

A demanda nos hospitais privados é maior do que na rede pública de saúde. Conforme o boletim, há hoje 232 pessoas com Covid internadas em UTIs da rede suplementar da cidade, enquanto nos hospitais da rede SUS são 176 pacientes.

No total, são 408 unidades de terapia intensiva ocupadas na capital mineira ocupadas por pessoas que sofreram sintomas graves da Covid. Já em relação aos leitos de enfermaria, 893 estão ocupados, contando as redes pública e suplementar.

O boletim indica ainda que Belo Horizonte contabilizou mais 463 casos de infectados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas e passou a registrar 60.267 confirmações da doença desde março. Além disso, mais 12 moradores da cidade morreram por causa da Covid – e a cidade passou a somar 1.801 vidas perdidas.

Também é preocupante o número proporcional de casos confirmados. Belo Horizonte chegou ao patamar de 117,9 infectados a cada 100 mil habitantes. Há duas semanas, no dia 7 de dezembro, a incidência era de 110,4 casos a cada 100 mil moradores. A capital tem aproximadamente 2,5 milhões de habitantes.

Indicadores

Os três indicadores de monitoramento da epidemia continuam em patamares altos. Enquanto a ocupação de leitos de UTI está em nível vermelho (alerta máximo), a ocupação de leitos de enfermaria e o número médio de transmissão por infectado (Rt) se mantêm no nível amarelo. Confira:

indicadores 22.12

Leia mais:
Após novo crescimento, secretário prevê estabilização da Covid em Minas só em meados de janeiro
É seguro viajar nas férias escolares de janeiro? Infectologista explica