A Defensoria Pública de Minas Gerais protocolou um pedido no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) pedindo a interdição do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, alegando o aumento do número de presos e a diminuição de agentes. 

Segundo o juiz Wagner Cavalieri, da Vara de  Execuções Criminais da comarca, o procedimento está em curso e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) tem até esta quinta-feira (17) para prestar esclarecimentos. "O Ministério Público também já se manifestou, concordando com o pedido de interdição e agora vou aguardar  as informações da Sejusp para poder tomar a melhor medida possível, pesar os prós e contras pra tentar dar a melhor decisão possivel", explicou Cavalieri.

A solicitação foi feita em 12 de dezembro e se deve, segundo o órgão, "ao iminente colapso total na segurança daquela unidade prisional, que será ocasionado pela redução do quadro de policiais penais que trabalham naquele estabelecimento, de cerca de 530 para 300 agentes. A redução do quadro se dará nos próximos dias com o encerramento dos contratos desses profissionais". 

A unidade foi projetada para abrigar até 1.640 presos. Porém, atualmente, o complexo conta com mais de 2.100 detentos.

Por meio de nota, a Sejusp informou apenas que "prestará, ao Poder Judiciário, todas as informações solicitadas sobre a Penitenciária de Contagem I (Nelson Hungria). Ainda conforme a secretaria, a unidade prisional tem 1.779 vagas, por questões de segurança não informamos a lotação de unidades específicas".