A Polícia Civil fez nesta quinta-feira (10) a reconstituição da morte de uma mulher, de 38 anos, que caiu da cobertura de um prédio no bairro Castelo, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, em 20 de novembro. A queda ocorreu durante uma festa que acontecia no apartamento do namorado dela.

O caso havia sido registrado como suicídio, versão que é contestada pela família da vítima.

Os trabalhos, que começaram por volta das 17h, foram coordenados pelo Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), com o apoio técnico dos peritos do Instituto de Criminalística, e são acompanhados pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e advogados do namorado da administradora de imóveis, foram encerrados às 21h.

Segundo a polícia, o inquérito que investiga as causas da morte tramita em segredo de justiça e "os trabalhos são realizados com total isenção e imparcialidade com o único objetivo de chegar à verdade real dos fatos".

Conforme o boletim de ocorrência, no dia dos fatos, um vizinho acionou a Polícia Militar dizendo que ouviu discussões vindas do apartamento onde a mulher estava. Logo após a confusão, o morador contou que escutou um forte barulho na área privativa do prédio. Ao chegar na parte externa, o vizinho encontrou a vítima caída, com ferimentos na cabeça e no corpo.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e confirmou a morte da administradora no local.