Minas e outros 13 estados são alvos da Polícia Federal (PF), que deflagrou, nesta quinta-feira (10), ação contra fraudes no recebimento do auxílio emergencial pago pelo governo federal. A operação Segunda Parcela cumpre 42 mandados de busca e apreensão e 13 de sequestro de bens.

A justiça determinou o bloqueio de R$ 650 mil em diversas contas que receberam indevidamente o auxílio, criado para ajudar financeiramente milhões de famílias de baixa renda afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

Além de Minas, a operação acontece em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Espírito Santo, Bahia, Santa Catarina, Tocantins, Paraná, Goiás, Rio Grande do Sul, Maranhão, Piauí e Mato Grosso do Sul.

Segundo a PF, a ação é parte de uma estratégia coordenada contra as fraudes entre a própria PF, Ministério Público Federal (MPF), Caixa, Receita Federal, Controladoria-Geral da União (CGU), Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério da Cidadania.

Nessa estratégia, as tentativas de cadastramento irregulares são detectadas pela Polícia Federal, que busca identificar a atuação de organizações criminosas que fraudam o benefício.

Ainda segundo a PF, a estratégia coordenada já detectou, bloqueou e cancelou o cadastramento de mais de 3,82 milhões de pedidos irregulares, evitando um prejuízo de R$ 2,3 bilhões aos cofres públicos.

Leia também:

Abrasel aciona PBH na Justiça por decreto que proíbe venda de bebidas alcoólicas

Prefeituras mineiras negociam compra da vacina contra a Covid-19 por conta própria