O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), afirmou que colocou toda a estrutura disponível do Estado para assistência às vítimas da queda de um ônibus de turismo de um viaduto no km 350 da BR-381, em João Monlevade, na região Central de Minas, na tarde desta sexta-feira (4). 14 pessoas morreram e outras 26 ficaram feridas.

“Colocamos toda estrutura disponível, como viaturas, ambulâncias e helicópteros, além de servidores da Defesa Civil e Corpo de Bombeiros. Não é por falta de assistência que estamos com esse grande número de óbitos”, afirmou o governador em entrevista para a Globo News.

Zema explicou que a BR-381 é historicamente a rodovia com maiores números de acidentes graves e mortes no Estado. “No passado, a estrada da morte era entre São Paulo e Curitiba. Hoje, talvez, a estrada da morte seja esse trecho da BR-381”, disse o governador, ao se referir ao trecho entre Belo Horizonte e o Espírito Santo.

Ele lembrou ainda que o Ministério da Infraestrutura está realizando obras de duplicação na rodovia, mas que muitos trechos ainda estão em pistas simples. “Essa rodovia devia ter sido duplicada há 30 anos ou mais, mas infelizmente, no Brasil, muitas decisões são postergadas”, disse Zema, que também se manifestou sobre o acidente pelo Twitter. 

Leia mais:
Sobe para 14 o número de mortos em queda de ônibus na BR-381, em Monlevade
Ônibus de turismo cai de viaduto em João Monlevade; 11 pessoas morreram
Feridos em grave acidente são levados para hospitais de Monlevade e Nova Era; capacidade preocupa
Vídeos mostram ônibus destruído após queda de 15 metros de viaduto em João Monlevade