As famílias que serão evacuadas em Barão de Cocais, por causa da elevação de nível de segurança na barragem Norte/Laranjeiras, da mina de Brucutu, não serão levadas para hotéis, de acordo com tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador adjunto da Defesa Civil de Minas. As 34 pessoas poderão escolher as casas e as evacuações devem começar na segunda-feira (23). 

Além dos moradores das propriedades que ficam no entorno da barragem, também estão sendo levados em conta 790 animais. “Será uma evacuação planejada, com tempo, para que as famílias possam escolher as residências em que serão alocadas. Elas não serão levadas para hotéis. Em função da Covid, fizemos a opção para que as pessoas sejam alocadas em casas escolhidas pelas próprias famílias”, afirmou Godinho.

Após as escolhas, a Vale fará as reformas necessárias nos imóveis, antes das mudanças.

Segundo Godinho, a evacuação poderá ser feita com calma pois, embora tenha havido uma elevação de nível de segurança de 1 para 2, não há risco iminente de rompimento. O tenente-coronel afirmou que a barragem está sendo monitorada e a Vale atesta sua segurança.

“A elevação de nível aconteceu em função de uma trinca e na ombreira da barragem, problema que será explicado pela Vale”, disse Godinho.

A Defesa Civil do Estado chegará a Barão de Cocais na sexta-feira (20) para acompanhar o processo de evacuação das famílias. Godinho acredita que o processo de escolha das casas começará efetivamente na próxima segunda-feira (23).

A mineradora informou que “adota essa medida em linha com o acompanhamento das condições de segurança de suas estruturas e mantém campanha de investigação geotécnica com o objetivo de definir as ações para o contínuo aprimoramento destas. A elevação do nível de emergência reflete uma abordagem conservadora da companhia, embora não tenham sido observadas alterações relevantes quanto aos fatores de segurança da estrutura”.

De acordo com a empresa, a barragem Norte/Laranjeiras não recebe rejeitos e, por isso, desde dezembro de 2019, não faz parte do seu plano de produção de minério de ferro.

Sul Superior

Em março de 2019, 156 famílias das comunidades de Socorro, Piteira, Tabuleiro e Vila do Gongo tiveram de ser evacuadas por morarem na área de autossalvamento da barragem Sul Superior, da mina Gongo Soco, que está em nível 3 de segurança (risco iminente de rompimento). A Justiça determinou que a Vale continue pagando auxílio emergencial a essas famílias evacuadas. 

Leia mais:
Vale terá de pagar, por mais um ano, auxílio a famílias que deixaram suas casas em Barão de Cocais
Dez barragens da Vale estão em nível de emergência, sendo quatro em situação de ruptura iminente