Belo Horizonte registrou quatro mortes pela Covid-19 desde a última sexta-feira (23), segundo informações do boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura, divulgado nesta segunda-feira (26). Esse é o dia com menos mortes registrado em todo o mês de outubro. 

Com o novo balanço, o total de infectados foi a 47.511, enquanto o número de óbitos chegou a 1.450. Ao todo, 44.225 pessoas se recuperaram da doença até o momento e outras cem mortes seguem em investigação.

O número médio de transmissão do coronavírus por infectado também alcançou o menor índice no mês, chegando à marca de 0,89. Outra boa notícia é que as taxas de ocupação das enfermarias e UTIs caíram na capital mineira. A primeira passou de 23,9% para 23,8%. Já a queda nas unidades de terapia intensiva foi de 32% para 31%.

Com os indicadores de monitoramento em nível verde, ou seja, abaixo de 40%, a cidade segue na desaceleração do contágio, o que favorece a ampliação da reativação econômica na cidade.

Entre as pessoas que morreram vítimas da Covid-19 em BH, 813 são homens e 637 mulheres. A maioria dos óbitos, 82,7% (1.199) é de pessoas idosas, acima dos 60 anos. Outros 14,9% (217) tinham entre 40 e 59 anos; e 2,3% (33) entre 20 e 39 anos. Há apenas uma morte registrada em paciente entre 10 e 14 anos.

Além disso, 97,7% dos óbitos são de pessoas com fator de risco e apenas 34 pacientes morreram sem apresentar nenhuma comorbidade. Idade, cardiopatia, diabetes, pneumopatia, obesidade, nefropatia e doenças neurológicas são as comorbidades mais comuns. 

No levantamento por Regionais, a Noroeste é aquela com o maior número de mortes, com 186. Na sequência aparecem a Nordeste (177); Oeste (176); Venda Nova (171); Leste (164); Barreiro (158), Norte (142); Pampulha (137) e Centro-Sul (139).

O boletim epidemiológico também indica que o índice de isolamento social em BH tem se mantido na casa dos 40% desde 19 de outubro. No último sábado (24), por exemplo, a taxa chegou a 45,5%.