As chuvas dos últimos dias e a previsão de mais precipitações em Belo Horizonte aumentam o perigo de desabamentos ou deslizamentos de terra provocados pelo solo encharcado. O alerta é maior para famílias de pelo menos 1.100 moradias, principalmente em vilas e favelas. Ontem, a Defesa Civil emitiu comunicado de risco geológico, que permanece até amanhã.

Apesar de os 90 milímetros (mm) previstos para domingo (25) não terem se confirmado, as precipitações na capital foram intensas. Em cinco das nove regionais de BH, a média histórica de 104,7 mm em outubro já foi superada. A região Oeste foi a que registrou maior volume. Lá, foram 37,2 mm – 35,5% de todo o volume esperado para o mês de outubro. 

Na sequência estão as regionais Barreiro e Centro-Sul. Nesta última, um muro de contenção em uma obra no bairro Serra desabou. Segundo a Defesa Civil, o responsável foi orientado e notificado a apresentar um plano de ação emergencial para adoção de medidas mitigadoras do risco. Ninguém se feriu.

Em estudos
Apesar de o número de 1.100 moradias em áreas de risco já chamar a atenção, a situação real da cidade é desconhecida. O diagnóstico – último disponibilizado pela PBH – foi feito em 2017. Um novo ainda está andamento.

Em meio ao perigo, o alerta aos moradores deve ser reforçado. É importante que as pessoas fiquematentas a sinais que possam indicar desabamentos ou deslizamentos. Dentre os principais, trincas nas paredes, água empoçando no quintal e minando na base do barranco, rachaduras no solo e inclinação de postes ou árvores.

Vistorias em áreas de risco devem ser solicitadas pelo telefone 3277-6409, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Em caso de emergência, os pedidos devem ser feitos junto à Defesa Civil, pelo telefone 199. 

Como medida de segurança, o órgão recomenda consertar vazamentos em reservatórios e caixas d’água. É necessário colocar calhas no telhado das casas. A população deve, ainda, evitar jogar entulho em encostas e despejar esgoto nos barrancos.

 

ALÉM DISSO:

Por nota, a PBH informou que, além do investimento em obras, desenvolve ações permanentes de prevenção às enchentes e proteção da população. Os trabalhos, segundo a administração municipal, envolvem todos os órgãos do Executivo. 

Belo Horizonte também conta com um Sistema de Monitoramento Hidrológico, capaz de subsidiar as ações de alerta e enfrentamento do risco de inundações. É esse trabalho, por exemplo, que possibilita o bloqueio de vias durante chuvas de maior intensidade.

Já nas vilas e favelas, moradores podem contar com auxílio de voluntários dos Núcleos de Defesa Civil. São 49 grupos, que representam mais de 400 moradores.