Belo Horizonte registrou treze mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 1.446 vidas perdidas para a doença desde o início da pandemia, segundo o boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura, divulgado nesta sexta-feira (23). Quanto ao número de casos conformados, a cidade tem 47.137, além de outros 1.861 em acompanhamento.

A capital segue com os indicadores de monitoramento em nível verde, fazendo com que o plano de reativação econômica na capital possa ter continuidade. A taxa de transmissão por infectado (Rt) está em 0,91. Ou seja, a cada cem pessoas doentes, outras 91 são infectadas, em média.

A ocupação de leitos também segue sob controle. As UTIs Covid-19 estão em 32,0% de lotação, enquanto as enfermaria têm 23,9% de ocupação. As taxas abaixo de 40% da ocupação significam uma desaceleração do contágio.

Entre as vítimas da Covid-19, 809 são homens e 637 mulheres. A maioria dos óbitos é registrada entre os idosos: 82,6% (1.195). Outros 15% (217) tinham entre 40 e 59 anos; e 2,3% (33), entre 20 e 39 anos. Há, ainda, uma morte de paciente entre 10 e 14 anos.

No levantamento por regionais, a Noroeste é a que tem o maior número de mortes, com 184 vidas perdidas, sete a mais que a Nordeste, com 177. Na sequência, aparecem a Oeste (175), Venda Nova (170), Leste (163), Barreiro (158), Norte (143), Centro-Sul (139) e Pampulha (137).

Depois do bairro Lindeia, no Barreiro, liderar por muito tempo o ranking de mortes por Covid-19 entre os bairros de Belo Horizonte, o Alto Vera Cruz, na região Leste, passou a ser o recordista de óbitos pela doença na cidade.

Veja a lista completa com o número de casos e mortes, por bairro, no link.