Uma operação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) nesta quinta-feira (17) apreendeu aves silvestres, mico leão-dourado, tamanduá-bandeira, cobras e até mesmo um jacaré em seis cidades mineiras e no Rio de Janeiro. Três pessoas foram presas

Denominada Macaw, a ação combateu crimes como formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e a prática de crimes contra o meio ambiente. Vinte e quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Ribeirão das Neves, Sete Lagoas, Uberlândia, Caratinga, Manhuaçu, Caraí e Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. Entre os alvos, estão médicos, veterinários e advogados.  

Segundo o MPMG, três pessoas foram presas em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Com os suspeitos também foram encontrados instrumentos utilizados para transporte de aves, gaiolas, celulares, notebooks e equipamentos eletrônicos. Também foram resgatados pássaros silvestres em cativeiro e alguns deles se encontravam em situação de maus-tratos.

Operação Macaw
Alguns pássaros silvestres se encontravam em situação de maus-tratos

Vários documentos falsos também foram arrecadados, além de notas fiscais e material genético dos animais para verificação da origem. O objetivo é apurar se são animais criados em cativeiro ou se são animais “esquentados” para comercialização. Entre os animais alvos da fiscalização há micos-leões dourados, jacarés, araras, macacos-prego, tamanduás-mirim.

A operação foi encabeçada pelo Ministério Público, através da promotoria de Caratinga, com o apoio de vários órgãos como Polícia Militar Ambiental, Polícia Civil, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Instituto Estadual de Florestas (IEF), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e do comando de policiamento ambiental do Rio de Janeiro.