A Vigilância Sanitária de Belo Horizonte deverá fazer, nos próximos dias, uma nova vistoria na clínica onde foi realizado o procedimento cirúrgico na cabeleireira Edisa Soloni. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde. A jovem de 20 anos passou mal logo após passar por uma lipoescultura e um enxerto nos glúteos na última sexta-feira (11) e foi encaminhada a um hospital, onde morreu de embolia pulmonar no sábado (12).

De acordo com a administração municipal, a clínica possui Alvará de Autorização Sanitária para realização de cirurgias plásticas e atende os requisitos legais da legislação. O documento é válido até agosto de 2021. “Portanto, em relação à Vigilância Sanitária, a clínica se encontra regularizada”, informou a prefeitura.

A Polícia Civil realizou duas diligências no estabelecimento, localizado no bairro São Pedro, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. De acordo com a instituição, um pedido será encaminhado à Justiça para suspensão temporária dos trabalhos na clínica.

Além de recolher documentos e o prontuário médico de Edisa, a polícia também realizou uma inspeção, acompanhada de um perito especializado em cirurgia plástica. Para ter uma análise mais precisa sobre a causa da morte da cabeleireira, os investigadores vão solicitar a exumação do corpo da jovem.

A clínica informou que vem colaborando junto às autoridades no que for preciso para esclarecimento do caso. "O alvará de funcionamento da Prefeitura se encontra em vigor até 18/08/2021. O local está apto a realizar cirurgias Asa1( paciente não tem nenhuma comorbidade) e  Asa 2 ( paciente tem comorbidade leve e moderada sem risco para a cirurgia)", afirmou por nota.

Disse ainda que recebeu a Polícia civil, na quarta-feira (16), mesmo sem mandado judicial, porque “sabe da qualidade de sua infraestrutura, que conta com um avançado centro cirúrgico, com capacidade de suporte pré e pós operatórios, além de todas as instalações necessárias à realização dos procedimentos estéticos”. 

Sobre o atendimento à paciente, a empresa informou que qualquer cirurgia, de pequeno ou grande porte, envolve risco cirúrgico, mesmo com pacientes totalmente saudáveis. A clínica reforçou ainda que diante das complicações inesperadas, todas as medidas necessárias foram realizadas em tempo hábil, transferindo a jovem consciente e alerta para o Hospital Felício Rocho.

Leia mais:
Polícia quer suspensão temporária de clínica onde cabeleireira fez lipoescultura antes de morrer
Cabeleireira que morreu após lipo realizou procedimento com médico investigado por outro óbito