Após mais de dois meses, o percentual de ocupação dos leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19 em Belo Horizonte deixou o indicador vermelho.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) nesta quinta-feira (13), 68,6% das 741 unidades intensivas, somando-se os leitos públicos e privados, estão ocupadas, o que faz com que a cidade atinja o indicador amarelo, que ocorre quando a taxa de ocupação está entre 50% e 69%.

Já os leitos de enfermaria estão no indicador verde, com 48% de ocupação. No mesmo nível de alerta está o número médio de transmissão por infectado (RT), que marcou 0,89.

Importante ressaltar que a PBH mudou o critério para contabilizar o número de leitos, somando também as unidades disponíveis na rede privada de saúde.

Tal alteração nos parâmetros foi fundamental para a queda na taxa de ocupação dos leitos de UTI e, consequentemente, para a reabertura do comércio não essencial na cidade, autorizado pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD), na semana passada.

Desde o início da pandemia, a PBH vem utilizando os índices de ocupação dos leitos como principal parâmetro de avaliação para a retomada das atividades. Atualmente, a capital está na fase 1 do retorno ao funcionamento de empresas. 

Entretanto, é importante ressaltar que como a janela de infecção do novo coronavírus dura duas semanas, os possíveis impactos da flexibilização do comércio nos indicativos da doença só poderão ser registrados a partir da próxima quinta-feira (20).

Ainda segundo o boletim divulgado pela prefeitura, Belo Horizonte registra até o momento 27.485 casos de coronavírus, com 23.542 recuperados e 758 óbitos. Outros 3.185 casos suspeitos da doença estão em acompanhamento.