Motoristas do transporte escolar fizeram uma manifestação em Belo Horizonte, nesta terça-feira (11). Com a suspensão das aulas presenciais nas instituições de ensino, a categoria está sem trabalhar há cinco meses. Eles reivindicam auxilio financeiro por parte do governo estadual.

Os condutores organizaram uma carreata do Mineirão, na Pampulha, à Cidade Administrativa, na região Norte da capital. Lá, dirigentes do Sindicato dos Transportadores de Escolares em Minas Gerais (Sintesc-MG) tentavam contato com o governo.

"A nossa situação é grave. Estamos parados há cinco meses, sem renda, sem o que comer e com os bancos tomando os nossos carros devido ao não pagamento das prestações", disse presidente do Sintesc, Carlos Eduardo Campos.

Segundo ele, a categoria solicita a regulamentação da lei 2033/2020, que concede auxílio financeiro a esses profissionais. Os motoristas também reivindicam permissão para utilizar a frota, durante a pandemia, no serviço de transporte coletivo de passageiros.

Em nota, o governo informou que representantes dos trabalhadores do transporte escolar foram recebidos nesta terça pela Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra). "Os pleitos foram recebidos e serão analisados. Em relação às reivindicações, foi informada a necessidade de avaliação do impacto financeiro por parte da administração estadual", resume o comunicado.