Belo Horizonte registrou a primeira morte por dengue em 2020, segundo balanço da Secretaria Municipal de Saúde divulgado nesta sexta-feira (23). A capital tem ainda 4.321 casos confirmados da doença e outros 2.615 exames aguardando resultados de análises laboratoriais.

A secretaria não divulga dados sobre o paciente, mas se trata de uma pessoa com outras doenças que contribuíram para as complicações que resultaram na morte. O registro é do mês de abril, mas só agora houve a comprovação do óbito pela dengue.

As regiões com a maior incidência da dengue, com casos confirmados e suspeitos, são Venda Nova (1667), Nordeste (1.012) e Leste (1.094).

A secretaria reforça que a população deve manter a vigilância, dentro e fora de casa, descartando o lixo e objetos que possam acumular água. Mais de 80% dos focos do Aedes aegypti estão nas residências, em locais como pratinhos dos vasos de plantas, garrafas, embalagens vazias e bebedouro de animais. 

Caso não seja possível descartar esses recipientes, a forma correta de limpeza é utilizar água corrente e lavar com esponja para remover as possíveis larvas do mosquito.

Chikungunya e zika

Segundo a SMS, 22 pessoas tiveram exame positivo para chikungunya. Outros 45 casos estão sob investigação. De acordo com a pasta, as ações de combate ao Aedes aegypti foram intensificadas nas áreas para evitar a propagação da doença.

Com relação à zika, a prefeitura não registrou casos confirmados neste ano. Até esta sexta-feira (23), 37 suspeitas foram descartadas e outros cinco casos seguiam sob investigação.