Um dia após protagonizar uma confusão com a Guarda Municipal, o dono de um bar no bairro Anchieta, zona Sul de BH, posto, no Instagram, um vídeo de esclarecimento. Nazir Cheiksido foi contido a força por agentes que fizeram uma abordagem no estabelecimento, situado na avenida Bandeirantes, na noite de quinta-feira (16), para evitar aglomeração na porta do bar.

Ao lado do vereador Léo Burguês e do comandante da Guarda, Rodrigo Sérgio Prates, Nazir diz no vídeo: "Tivemos um incidente aqui ontem, como todo mundo está sabendo, e entrei em contato com o Léo, que é um conhecido e amigo meu, que está sempre nos ajudando no circuito da (avenida) Bandeirantes, com lojistas e donos de bares e restaurantes".

Segundo o comerciante, o vereador "fez o link com o comandante da Guarda Municipal para esclarecer tudo e resolver a situação. E para não sair o nome da Guarda prejudicado nem dos que estavam participando aqui no dia".

Ele agradece a presença de ambos e passa a palavra para o vereador, que destacou a importância da GM, "de nos servir, nos proteger e fazer cumprir a lei".

O comandante Prates, por sua vez, assinala que a "Guarda é uma polícia de proximidade, comunitária, e ela nunca se furtará a fazer esta importante participação da sociedade e do poder Executivo. Nós temos, sim, que estar envolvidos e, com cada um entendendo o lado do outro, a tendência é que as coisas fluam melhor".

O vídeo da confusão entre agentes e Nazir, na quinta-feira, viralizou nas redes sociais. Imagens gravadas por pessoas que estavam no local mostram o instante em que o comerciante é imobilizado pela Guarda. Outras três pessoas se envolveram na confusão e foram encaminhadas para a delegacia de plantão do Barreiro.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, os agentes observaram que havia descumprimento do decreto municipal que proíbe funcionamento deste tipo de comércio durante a pandemia, após constatarem aglomeração na porta do bar, que estaria aberto para delivery. Clientes foram vistos bebendo cerveja e foram orientados a sair do local.

A corporação também informou que o estabelecimento era reincidente e que teve o alvará de localização e funcionamento recohido. "Ao todo, a Guarda esteve cinco vezes no estabelecimento para orientar o comerciante sobre as regras do decreto", informa o boletim.

Os três envolvidos assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelo crime de desacato e deverão comparecer a uma audiência no Juizado Especial Criminal.   

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Cheik's - Gastronomia Árabe (@cheiksoficial) em

o dono de um bar no bairro Anchieta postou, no Instagram,um vídeo de esclarecimento.