O nível de alerta dos indicadores epidemiológicos da Covid-19 em Belo Horizonte se manteve no patamar vermelho, pela sexta semana consecutiva, segundo novo boletim de monitoramento divulgado pela prefeitura nesta sexta-feira (17). A capital mineira ainda é o epicentro da pandemia em Minas, com 11.903 casos e 328 mortes. 

Porém, apesar da gravidade do quadro da doença no Estado, o ritmo de difusão do vírus, medido pelo RT, caiu de 1,11 na semana passada para 1,00 nesta semana, o que indica estabilização do número de novos casos. Isso quer dizer que cada pessoa que está infectada atualmente contamina uma outra pessoa, mantendo assim a média de casos e parando a curva crescente. O cálculo é feito a partir da média dos últimos sete dias para não flutuar tanto quanto o cálculo diário.

Entretanto, como o número de infectados é alto, o número de possíveis doentes também seguirá elevado, o que pode gerar grande demanda por leitos de UTI e de enfermaria durante as próximas semanas.

Índice de transmissão Covid-19

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), até o dia 10 de julho, a capital tinha 10.618 casos confirmados da doença e, nessa quinta-feira (16), os números saltaram para 13.559, representando um aumento de 28% em uma semana. Quando os números atuais são comparados com os de 22 de maio, dia da primeira tentativa de reabertura do comércio, a diferença é ainda maior. Naquela data, eram 1.351 casos notificados, um aumento desde então de mais de 900%.

Os dois índices de ocupação de leitos também se mantiveram na zona vermelha. A taxa de ocupação de leitos de UTI Covid se manteve em 88%. Já as internações nas enfermarias, nesse mesmo período, caíram de 76% para 74%.

Conforme a PBH, essa redução se deve ao aumento do número de leitos. Em uma semana foram 106 novas vagas, além de mais profissionais e medicamentos para pacientes atendidos pelo SUS-BH. 

Somando os leitos Covid de enfermaria (1.087) e UTI (392), a Prefeitura de Belo Horizonte conta hoje com 1.479 leitos. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março, o executivo municipal informou que já ampliou o número de leitos de UTI e enfermaria para tratamento da Covid-19 em mais de 532%. 

Mesmo assim, o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado, acredita que a flexibilização das atividades econômicas depende do recuo no número de internados. “O que os dados dos últimos sete dias revelam é que houve uma estabilização, contudo, gerando novos casos no nível mais alto de contaminação desde o início da pandemia. Dessa forma, o mais seguro é continuarmos na fase de controle para avaliação ao longo da próxima semana. Nesse período verificaremos se a estabilização do Rt irá refletir em redução na taxa de ocupação dos leitos hospitalares”, pondera o secretário. 

Protocolos para reabertura

Em reunião com lojistas nesta terça-feira (14), representantes da Prefeitura de Belo Horizonte e do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 apresentaram protocolos para funcionamento do comércio da capital durante a pandemia. A reabertura, que ainda não tem data para ocorrer, será realizada com observância aos indicadores epidemiológicos, como a ocupação de leitos de UTI e de enfermaria, número médio de transmissão do coronavírus por infectado, índice de isolamento social e projeção do número de casos. 

“Cientes e responsáveis desses compromissos, continuaremos monitorando os indicadores epidemiológicos e tão logo os números demonstrem segurança, anunciaremos novas reaberturas. Muitos que criticam Belo Horizonte por não ter reaberto tudo como em outros lugares, ignoram a superioridade de vidas salvas na capital até o momento. Reiteramos que nossa prioridade é a vida de cada belo-horizontino e a assistência digna às pessoas acometidas por essa doença”, disse André Reis, secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão. 

Indicadores

A Prefeitura usa três indicadores principais: número médio de transmissão por infectado (Rt); taxa de ocupação de leitos UTI Covid e taxa de ocupação Enfermaria Covid. A classificação desses indicadores é feita pelas cores verde, amarela e vermelha. São categorizados em nível verde se houver utilização de até 50% das vagas. Caso a ocupação esteja entre 50 e 70%, o nível será amarelo. E, acima de 70%, vermelho.

O número médio de transmissão por infectado (Rt) estará verde de 0 até 1, amarelo, entre 1 e 1,2, e vermelho, quando estiver acima de 1,2.

Com base nesses três indicadores principais, a Prefeitura de Belo Horizonte, juntamente com o Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19, analisa os números e define o nível de alerta geral, também categorizado pelas mesmas três cores.