A Polícia Civil de Minas Gerais  (PCMG) cumpriu, nesta terça-feira (14), quatro mandados de prisão contra suspeitos de integrarem uma quadrilha especializada em praticar estelionado contra instituições financeiras no Triângulo Mineiro e na região Central do estado. Os mandados foram cumpridos em Belo Horizonte, além de Contagem, Ribeirão das Neves e Ibirité, na Região Metropolitana da capital.

A ação faz parte da segunda fase da operação "Stellio". O delegado Marcos Tadeu de Brito Brandão, chefe do 9º Departamento de Polícia Civil em Uberlândia,  revelou que os levantamentos apontam para um prejuízo superior a R$ 500 mil aos bancos. 

“Foi montado um grupo de mensagens no qual eles trocavam informações sobre as potenciais vítimas. Com programas apropriados, eles falsificavam documentos públicos e, posteriormente, utilizavam a documentação para conseguirem crédito junto às instituições financeiras. Em posse dos cartões de crédito, eles os utilizavam para fazer compras até estourarem o limite. Depois também usavam o cartão para clonagem de outros cartões”, explicou.

O delegado relata que a investigação teve início com a prisão em flagrante de um homem, de 27 anos, em Uberlândia, no último dia 26 de junho. Após acionamento da vítima, policiais militares localizaram o suspeito em um flat na região central da cidade. No local, o investigado ostentava uma vida luxuosa com os proveitos dos crimes praticados.

Além dos mandados de prisão, nas duas fase da operação foram apreendidos vários equipamentos e softwares de informática, diversos bens de alto valor, dentre eles carros de luxo. A PCMG afirmou que 11 pessoas serão indiciadas. Foram apreendidos bens de luxo e bloqueados valores em contas dos investigados.