Uma carreata pedindo a reabertura do comércio em Belo Horizonte percorreu ruas da capital mineira na manhã deste domingo (5).

Havia cartazes com críticas ao prefeito Alexandre Kalil (PSD), em defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e com críticas ao Supremo Tribunal Federal ("Fora STF", diziam algumas faixas).

Os motoristas que participaram do movimento também exibiram bandeiras do Brasil e faixas pedindo mais liberdade e democracia. 

Carreata BH

Os manifestantes se concentraram na Praça do Papa, no bairro Mangabeiras, Zona Sul da cidade, e seguiram pelas avenidas Afonso Pena e Brasil, encerrando o cortejo na Praça da Liberdade.

Os organizadores estimaram que mais de 70 veículos tenham participado da carreata. Todo o percurso do protesto foi acompanhado pela Polícia Militar.

Carreata BH

Em nota, a prefeitura disse que, juntamente com o Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19, acompanha três indicadores fundamentais para definir os passos do plano de reabertura gradual do comércio: a taxa de ocupação de leitos de UTI Covid, de enfermaria e o índice de transmissão.

"Toda decisão do Executivo é baseada no monitoramento desses índices. O Comitê de Enfrentamento avalia que enquanto não surgir uma vacina para controle do novo coronavírus a cidade terá que conviver com reaberturas e fechamento do comércio, dependendo dos níveis de avaliação".

A PBH informou, ainda, que, na última quinta-feira (2), o prefeito Alexandre Kalil e o Comitê se reuniram com dezenas de comerciantes e lojistas de Belo Horizonte e que um novo debate sobre a reabertura do comércio na capital está agendado para a próxima quarta-feira (8).

Recuo na flexibilização

Desde a última segunda-feira (30), apenas serviços essenciais podem funcionar em Belo Horizonte. A medida foi anunciada pelo prefeito Alexandre Kalil em 26 de junho, após recorde de mortes pela Covid-19 na capital e após a taxa de ocupação dos leitos hospitalares chegar perto de 90%.

A capital tem 7.714 do novo coronavírus e 176 mortes em decorrência da Covid-19.

Nos hospitais da rede municipal de saúde, a taxa de ocupação dos leitos de UTI com pacientes infectados pela Covid-19 era de 87% na sexta-feira (3). Já os leitos de enfermaria tinham taxa de ocupação de 67%.