A Polícia Civil de Minas Gerais fechou, na manhã desta quinta-feira (2), uma oficina clandestina de equipamentos médicos que funcionava em uma casa no bairro Santa Amélia, na região Pampulha, em Belo Horizonte. 

Treze pessoas foram presas entre elas proprietários e funcionários suspeitos de comprar equipamentos hospitalares estragados, entre eles respiradores, consertá-los e vendê-los como se fossem novos ou seminovos.

De acordo com a corporação, as investigações começaram há pouco mais de um mês após uma denúncia sobre a comercialização de aparelhos hospitalares de alta complexidade usados em UTI, incluindo respiradores, bombas de infusão, incubadora neonatal, berço climatizado e aparelhos de raio-X, em um site.

No momento do flagrante, uma equipe adulterava um respirador completo, aparelho usado no tratamento de insuficiência respiratória em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).