O maior shopping popular de Belo Horizonte está investindo em televendas e no e-commerce para enfrentar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Nesta segunda-feira (29), o Oiapoque voltou a ser fechado em virtude do recuo da flexibilização social. Mas a direção do centro de compras anunciou que fará frete grátis para todos os clientes.

Oiapoque

Com decreto da PBH, shopping popular foi obrigado a suspender vendas presenciais

A estratégia, conforme explicou o sócio-diretor do shopping, Mário Valadares, é para garantir renda aos comerciantes do local. “Essas duas operações vão ajudar o microempresário a enfrentar a crise”, explicou. Segundo ele, os funcionários do Oiapoque são pessoas de classe muito baixa, sem escolaridade e que são comissionados.  “Não têm outra renda. Se não vendem, não têm receita”, disse.

As vendas pelo telefone já estão em pleno vapor e, até sexta-feira (3), a expectativa é que o site do shopping também esteja disponível. “O shopping vai pagar o frete grátis para gente consiga ter alguma receita”, pontuou Valadares.

Atualmente, o Shopping Oiapoque possui 700 lojas. Ele tinha sido reaberto em 25 de maio após ficar mais de dois meses fechado. Na época em que recebeu aval para voltar a funcionar, adotou medidas rígidas para evitar a contaminação pela Covid-19.

Se antes até três mil pessoas podiam circular simultaneamente nas diversas galerias, esse número, foi reduzido para 507. A entrada e saída do público era controlada com fichas. Além disso, antes de entrar no shopping , o público tinha a temperatura medida. Acima de 37,2ºC, o consumidor era barrado. Álcool em gel também era borrifado nas mãos de todos. Nas galerias, apenas metade das lojas podiam funcionar.