Quando o assunto é ajuda, a Cruz Vermelha é referência. Em Minas, esse auxílio à população mais vulnerável é constante. Mas, nem sempre é possível encontrar voluntários para as ações que se espalham pelo país. Na tentativa de expandir essa corrente solidária, a Cruz Vermelha e o Escoteiros do Brasil procuram pessoas que tenham disponibilidade e estão fora do grupo de risco para participar das atividades de combate à pandemia. 

Além de estar fora do grupo de risco - pessoas com diabetes, hipertensão, doenças respiratórias crônicas ou mais de 60 anos - , o voluntário da Cruz Vermelha precisa ter mais de 18 anos. Manter a carteira de vacinação atualizada também é obrigatório. Para participar da Cruz Vermelha em Minas, é preciso preencher um cadastro neste link.

A partir de segunda-feira (1º) será feita uma capacitação on-line. "Neste momento de pandemia, a gente também tem que ter um cuidado ainda maior com o voluntário. Colocá-lo, inclusive, em um seguro (de vida)", explicou o voluntário e diretor-financeiro do grupo em Minas, Ricardo Oliveira. 

O diretor destaca que o voluntário é o braço e a alma da Cruz Vermelha. "A gente tem um trabalho grande por causa dele. Nossas ações de entrega de cestas básicas ou outra ajuda acontecem justamente por causa desse braço", destacou Oliveira. 

Os interessados em ajudar participarão de atividades de saúde, apoio psicossocial, campanhas de comunicação e destinação de doações. Além de Minas Gerais, o Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraná, Amapá e Sergipe também precisam de voluntários.

cruz vermelha