A Subsecretaria de Fiscalização da Prefeitura de Belo Horizonte interditou, nesta quarta-feira (27), uma loja de roupas na avenida Visconde de Ibituruna, na região do Barreiro, que funcionava mesmo sem estar contemplada na primeira fase de "relaxamento" do isolamento social em BH. Agentes da Guarda Municipal recolheram o alvará de funcionamento por se tratar de um caso reincidente.

"No dia anterior a loja já tinha sido alvo de abordagem e orientação por parte dos guardas municipais", informou o órgão, em nota (leia na íntegra no fim da reportagem). Conforme a prefeitura, o comércio foi interditado por descumprimento ao decreto 17.361.

"A Prefeitura esclarece ainda que, os setores que podem voltar a funcionar foram definidos de acordo com o respectivo risco sanitário, de aglomeração e de permanência de pessoas envolvidas. Seguindo esses critérios, desde o dia 25 de maio podem funcionar as seguintes atividades:

  • Comércio varejista de artigos de iluminação;
  • Comércio varejista de artigos de cama, mesa e banho;
  • Utensílios, móveis e equipamentos domésticos, exceto eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo;
  • Tecidos e armarinho;
  • Artigos de tapeçaria, cortinas e persianas;
  • Limpeza e Conservação;
  • Artigos de papelaria, livraria e fotográficos;
  • Brinquedos e artigos recreativos;
  • Bicicletas e triciclos, peças e acessórios; 
  • Comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal;
  • Veículos automotores;
  • Peças e acessórios para veículos automotores;
  • Pneumáticos e câmaras-de-ar;
  • Comércio atacadista dos artigos de comércio varejista permitidos na fase 1, a partir de 25 de maio;
  • Cabeleireiros, manicure e pedicure;
  • Centros de comércio popular instituídos a qualquer tempo por Operações Urbanas visando a inclusão produtiva de camelôs, desde que localizados no Hipercentro ou em Venda Nova."

A reportagem tentou contato com o proprietário da loja Roupa Mágica Barreiro, mas não obteve sucesso.

Flexibilização do isolamento

A primeira das quatro fases de flexibilização do isolamento social teve início na segunda-feira (25) em BH, com a reabertura de quase 11 mil comércios na capital mineira. Entre os estabelecimentos permitidos, estão salões de beleza, lojas de artigos domésticos, cama, mesa e banho e shoppings populares.

Conforme o prefeito de BH, Alexandre Kalil (PSD), a medida pode ser revista caso haja "explosões de notificações". Além disso, a PBH orientou a população a somente sair de casa em caso de necessidade. O isolamento em BH esteve em 48% nos dois primeiros dias de "relaxamento", conforme dados da administração municipal.

Nota da Guarda Municipal

Agentes da Guarda Municipal recolheram o alvará da loja Roupa Mágica, após constatarem que o estabelecimento não se enquadrava entre aqueles que poderiam estar funcionando. A medida foi adotada por se tratar de uma reincidência, já  que no dia anterior a loja já  tinha sido  alvo de abordagem e orientação por parte dos guardas municipais.