A presença do novo coronavírus no esgoto de Belo Horizonte e Contagem está aumentando, apontou novo levantamento feito pelo projeto-piloto Monitoramento Covid Esgotos. Coletas feitas entre os dias 27 de abril e 8 de maio indicaram que 50% das amostras referentes à bacia do ribeirão Arrudas continham o vírus da Covid-19, enquanto na quinzena anterior a proporção era de 29%.

No ribeirão do Onça, o percentual da presença do novo coronavírus aumentou de 64% para 69%. O segundo boletim do projeto foi publicado nesta quarta-feira (27) com dados coletados em 24 pontos das duas cidades.

 Nos próximos boletins deverá ser incluída a comparação entre a incidência do vírus nos esgotos e a incidência de casos de Covid-19 em Belo Horizonte e Contagem. O objetivo do estudo é oferecer mais um dado aos gestores públicos em relação ao isolamento social e outras medidas de contenção da epidemia.

Realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT), em parceria com UFMG, Agência Nacional de Águas (ANA), Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e Copasa, o projeto-piloto terá duração inicial de dez meses. A partir do levantamento, é possível saber quais são as regiões com maior incidência da doença.

Os pesquisadores participantes no estudo reforçam que não há evidências da transmissão do vírus através das fezes (transmissão feco-oral). A Covid-19 é transmitida por gotículas de saliva e os principais meios de evitar a doença são o isolamento social, o uso de máscaras e a higienização das mãos.

Leia mais:
Índice de isolamento é de 48% após flexibilização do comércio em BH, afirma PBH