Uma quadrilha liderada por integrantes de uma facção criminosa recolhida no sistema penitenciário de Minas Gerais são alvo de uma operação da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco) na manhã desta sexta-feira (8).

A ação, batizada de "Anestesia", foi lançada após investigação apontar que os suspeitos utilizavam aparelhos de telefone celular de trás das grades para coordenar a venda de entorpecentes em Belo Horizonte, Betim, Contagem e Vespasiano. 

De acordo com a Polícia Federal, nove pessoas fazem parte do bando. Os agentes descobriram que oito endereços na Grande BH eram utilizados para armazenamento e negociação de drogas.

Estes locais foram alvos de mandados de busca e apreensão nesta manhã.

Os suspeitos, investigados pelos crimes de tráfico de drogas e participação em organização criminosa, podem ser condenados a 23 anos de prisão.

Anestesia 

O nome da operação é uma alusão aos anestésicos utilizados para “batizar” (técnica que mistura outras substâncias à droga, para aumentar sua quantidade) a cocaína traficada pelo grupo.

Leia também:
Adesão ao isolamento social cai de 62,1% para 38,6% em Minas e preocupa especialistas
Pesquisadores da UFMG encontram genoma de coronavírus em locais públicos de BH
Vale é condenada a pagar R$ 5 mi para mulher que perdeu filho, marido e irmã em Brumadinho