No momento em que toda a população recebe a recomendação para ficar em casa, sempre que possível, a oferta de doadores de sangue cai bastante. Não só porque muitos temem sair de casa, como também por ter dúvidas sobre a doação de sangue em tempos de quarentena. Uma questão que tem aparecido com frequência é se pessoas que parecem estar sadias, mas são assintomáticas para a Covid-19, poderiam estar colocando em risco a vida de outras pessoas ao procurar um centro de coleta?

O Hemominas esclarece que não há evidência, até o momento presente, de transmissão transfusional do novo coronavírus. Ou seja, caso algum doador seja assintomático para a doença, ele não irá transmitir o vírus para quem receberá o sangue. A fundação esclarece ainda que os espaços onde a doação de sangue ocorre são higienizados frequentemente para garantir a segurança para trabalhadores e usuários. E reforça que "só doa sangue quem está em plenas condições de saúde". 

Mesmo que a Covid-19 não seja transmitida pelo sangue (somente através das mucosas), para garantir a segurança dos agentes de saúde e das pessoas que vão receber sangue, os protocolos e critérios da triagem clínica de candidatos à doação de sangue passaram por alguns acréscimos. Confira:

- Candidatos à doação de sangue que tenham se deslocado ou que sejam procedentes de países com casos autóctones confirmados de infecções pelo COVID-19 deverão ser considerados inaptos por 14 dias após o retorno destes países, desde que se mantenham assintomáticos. Esse critério está mantido pelo Ministério da Saúde, até o momento, apesar do Brasil já ter sido reconhecido como local de transmissão comunitária;

- Candidatos à doação de sangue que foram infectados pelos vírus Covid-19, após diagnóstico clínico e/ou laboratorial: inaptos por 30 dias após completa recuperação (assintomáticos e sem sequelas que contraindiquem a doação);

- Candidatos que tiveram contato com pessoas que apresentaram diagnóstico clínico/laboratorial de infecção pelo Covid-19 deverão ser considerados inaptos pelo período de 14 dias, após o último contato com essas pessoas;

- Candidatos à doação de sangue que permaneceram em isolamento voluntário, ou indicado por equipe médica, devido a contato com pessoas com sintomas de possível infecção pelo Covid-19 deverão ser considerados inaptos pelo período que dura o isolamento (no mínimo 14 dias), se estiverem assintomáticos;

- Candidatos que apresentam resfriado comum, sem história de viagem para áreas endêmicas ou contato com pessoas provenientes dessas áreas: apto 30 dias após o término dos sintomas.

O Hemominas esclarece que a doação de sangue é fundamental para manter o tratamento de pacientes hematológicos atendidos pela fundação em Minas Gerais, bem como todos aqueles que estão nos hospitais na dependência de transfusões.

A fim de organizar o fluxo de doadores, evitando aglomerações para que as doações de sangue ocorram da forma mais segura possível, a fundação informa que, nesse período, o atendimento será apenas mediante agendamento on-line (www.hemominas.mg.gov.br) ou pelo MGapp.

Veja quais são os tipos sanguíneos mais demandados neste momento:

Leia mais:
Quarentena: quinto dia útil de abril é marcado por grandes filas nas agências bancárias