Os motoristas de Belo Horizonte, que continuam necessitando utilizar o carro mesmo no período de isolamento social, tiveram um alívio nesta semana ano notarem a redução no preço da gasolina e do álcool. Em alguns postos, o combustível chega a custar R$3,98 (para pagamento em dinheiro ou débito). 

A reportagem do Hoje em Dia percorreu alguns postos da capital nesta sexta-feira (3) e confirmou reduções nos preços em comparação com o mês passado, quando havia feito o mesmo trabalho no dia 5 de março. Entre os postos visitados, houve queda no Diala (Shell), na rua Pouso Alegre, no Floresta (região Leste), cujo preço da gasolina está R$3,98. O álcool era vendido a R$2,79.

posto Pica Pau

Posto Pica Pau, na avenida do Contorno: queda de 6% na gasolina em um mês

No Eco (Shell), na rua dos Tupis, no Barro Preto (região Centro-Sul), a gasolina era comercializada a R$4,28 e o álcool a R$2,94. Já no Pica Pau (Shell), na avenida do Contorno, no Carlos Prates (região Oeste), o preço da gasolina estava em R$4,27 nesta sexta-feira contra R$4,54 no dia 5 do mês passado - uma redução de 5,9%.

Oportunidade para quem precisa

Alguns motoristas aproveitaram para encher o tanque de seus veículos. É o caso do psicólogo Anderson Agulhari, de 38 anos, que notou o desconto no último dia 24, quando completou o nível de álcool do veículo em um posto da rede Petrobras, no Cidade Nova, na região Nordeste de BH. Acostumado a pagar R$3,29, Agulhari se surpreendeu com o insumo a R$3,09 - uma diminuição de 6%. 

"É um grande alívio. Nesse momento de crise, a gente pensa nas outras contas a pagar. O combustível é necessário, mas tem sacolão, prestação do carro e do apartamento", contou o profissional, que tem priorizado o atendimento por videoconferência ou chamadas telefônicas. Para ele, a redução é reflexo da pouca demanda provocada pelo isolamento social.

O gastrônomo Sinval Espírito Santo encontrou a gasolina por R$4,29 em um posto da avenida Teresa Cristina. Encheu o tanque. Até então, ele havia abastecido antes da quarentena por R$4,89, na rua da Bahia, no Funcionários (Centro-Sul) e observou postos com preços acima de R$5. Sinval tem saído apenas para comprar alimentos ou ir à farmácia, mas preferiu completar o nível de combustível do veículo.

Para ele, a redução é positiva, mas... "Alívio, mesmo, seria ver as empresas de energia elétrica, água e internet, ou seja, serviços que se tornaram mais demandados nesse momento, adotarem uma postura de descontos. Isso reforçaria a necessidade de isolamento e ajudaria nesse período de reclusão obrigatória", opinou.

Redução, mas nem tanto

Para o economista Fabricio José Missio, da Faculdade de Ciências Econômicas (FACE) da UFMG, a queda encontrada nos postos da capital está mais relacionada a um reajuste interno na política de lucros dos revendedores, já que os preços estavam muito altos, do que necessariamente uma resposta à diminuição da demanda.

Outro ponto avaliado pelo especialista é a especificidade do setor. Em mercados de ampla concorrência, a queda na demanda, ou seja, a queda no número de pessoas comprando um item, faz os preços caírem como forma de disputa pelo cliente. "Os postos têm pouca concorrência e poder de mercado. Em situações assim, eles estão só minimamente ajustando lucros", disse.

Além disso, Misso relembra que a produção do insumo é praticamente monopolizada no Brasil. "A Petrobrás, ao invés de baixar os preços em uma situação como essa, reduz sua capacidade de produção. Esse é um setor complicado, com preços rígidos. Os preços caíram nos postos, mas caíram menos do que o esperado, se for levado em conta a queda de quase 50% na ida aos postos", pontuou.

Segundo ele, uma queda realmente grande no valor poderá ocorrer caso o número de casos de coronavírus cresça substancialmente em Belo Horizonte. "Estimativas apontam para o número de casos para o fim do mês. Se isso ocorrer, a demanda vai cair ainda mais. Aí sim eles precisarão reduzir o preço para disputar os clientes entre eles", finalizou.

A reportagem também procurou o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro), entidade que representa cerca de 4 mil postos de combustíveis no Estado, para entender a redução encontrada nesses estabelecimentos na última semana. Em nota, o Minaspetro informou que não faz estimativas ou análises de baixas ou altas de preço dos combustíveis nas refinarias e, portanto, não se posiciona sobre o assunto.

De acordo com a entidade, os estabelecimentos revendedores de combustíveis são "apenas mais um elo na cadeia de comercialização, esta que é extensa e composta por importantes players durante o processo, desde o refino até a disponibilização do produto ao consumidor final".

Por essa razão, o Minaspetro informou que os postos, "sendo o último e mais visado elo no segmento de distribuição e revenda, dependem de decisões e repasses – caso estes aconteçam – por parte dos outros agentes do setor; ou seja, governo, refinarias, usinas de etanol e companhias distribuidoras" para que ocorram diminuições ou aumentos nos preços dos combustíveis. 

Petrobras baixou preços

Procurada para comentar a redução dos preços nos combustíveis, a Petrobras informou, em nota, que baixou os preços do óleo diesel em 7,5% e da gasolina em 12%, no último dia 19 de março, em suas refinarias. Segundo a empresa, essas alterações representam, no acumulado do ano, uma redução de preço de óleo diesel de 29,1% e 30,1% na gasolina.

Além disso, a Petrobras informou que conta com as distribuidoras e revendedores para que estas reduções cheguem até o consumidor final.
"Vale ressaltar que apesar das reduções significativas, a Petrobras não tem ingerência no preço final ao consumidor". Neste link, o consumidor pode conhecer a composição do preço final, nos postos de combustíveis.

Questionada sobre a redução na produção, a empresa informou ela ocorreu devido à baixa demanda de gasolina e diesel no cenário atual, de diminuição na circulação de veículos devido à pandemia de Covid-19.

Leia mais:
Confinamento é desafio para casais, que têm diferenças realçadas pela convivência 24 horas
Maia quer votar orçamento paralelo em dois turnos na próxima semana
Zema liga para Bolsonaro para pedir auxílio do governo federal nos impactos da Covid-19