O Ministério da Saúde anunciou que todos os profissionais de saúde do país terão de ser capacitados para atuar no enfrentamento à pandemia de Covid-19. A pasta exigiu que os conselhos da área de saúde enviem os dados dos profissionais associados, que deverão se cadastrar e fazer o curso on-line de capacitação.

A Portaria nº 639/2020, publicada nesta quinta-feira (2), no Diário Oficial da União, provocou debate especialmente entre os médicos veterinários. A principal questão que surgiu entre eles é como sua mão de obra poderá ser utilizada durante uma possível crise na saúde pública, por conta de uma grande demanda no número de pacientes com o novo coronavírus?

De acordo com o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais (CRMV-MG), Bruno Divino, mais de 400 dúvidas foram enviadas por profissionais nesta quinta-feira. Boa parte se mostrou interessada em participar no trabalho de enfrentamento, segundo ele.

“Quem tem uma atuação em saúde pública poderia atuar de diferentes formas, como aferimento (de sintomas) da população ou ações burocráticas, liberando médicos e enfermeiros para a linha de frente”, afirma Bruno, lembrando que o trabalho exercido atualmente pelos veterinários, na orientação de tutores e no controle sanitário de animais, é fundamental para o setor da saúde neste momento.

A reportagem do Hoje em Dia entrou em contato com o Ministério da Saúde, perguntando de que forma os médicos veterinários poderiam atuar dentro das unidades que recebem pacientes com a Covid-19, mas ainda não obteve resposta.

Contigente qualificado

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) informou que é o Ministério da Saúde quem vai gerenciar o cadastro obrigatório e estabelecer os critérios, inclusive de atuação dos profissionais. Mas garantiu que os veterinários poderão contribuir em diferentes frentes necessárias para controlar o avanço da pandemia.

“É um contingente qualificado de profissionais de Saúde Única à disposição do Ministério da Saúde para auxiliar no que for necessário, com capacitação para cuidar da saúde animal, humana e do meio ambiente, e vasto conhecimento sanitário para ajudar o país a superar essa pandemia”, afirma o presidente do CFMV, o médico-veterinário Francisco Cavalcanti.

A entidade informa que o médico veterinário já atua na saúde das pessoas através da prevenção de zoonoses (doenças transmitidas de animais para homens), inspeção e fiscalização de produtos de origem animal. Lembra ainda que o veterinário atua ainda na atenção básica em saúde através dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF).

Durante a epidemia, muitos veterinários continuam trabalhando no controle sanitário de animais, um serviço essencial para a saúde pública. Caso um profissional não deseje ser convocado para atuar no enfrentamento à pandemia, ele poderá colocar essa informação durante o cadastro. Mas a realização da capacitação é obrigatória, conforme a portaria.

Além de medicina veterinária, na lista de profissionais que poderão ser convocados para trabalhar no enfrentamento à Covid-19 estão serviço social, biologia, biomedicina, educação física, enfermagem, farmácia, fisioterapia e terapia ocupacional, fonoaudiologia, medicina, nutrição, odontologia, psicologia e técnicos em radiologia.