Em uma live exibida no início da noite deste sábado (21), o governador de Minas, Romeu Zema (Novo), adiantou que adotará medidas ainda mais restritivas nos próximos dias, para diminuir a velocidade do contágio e proliferação do novo coronavírus. Além de diversos tipos de empresas proibidas de funcionar, pessoas podem passar a ser retiradas das ruas. 

A partir de agora, a Polícia Militar deixará de pedir à população para impor o isolamento social. Zema explicou que “as pessoas estão deixando de ter seus direitos em nome da saúde pública, em nome de salvar vidas. As pessoas poderão ser retiradas dos locais para que vidas sejam salvas”.

Ele chamou a atenção para o fato de o número de casos suspeitos em todo o Estado ter disparado muito nos últimos três dias, passando a 5.751, segundo balanço divulgado neste sábado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

“O dado é aterrorizante, o número de suspeitos passou, em três dias, de 400 para quase seis mil novos casos. A situação tem se agravado e nós precisamos tomar consciência”, destaca Zema.

Ele pediu à população que aja para o bem da saúde pública, solicitando apoio às medidas restritivas mais severas que serão tomadas. O governador classificou a situação atual como um “momento de guerra”.

Um procedimento já adotado em Belo Horizonte se repetirá no Estado, com bares, restaurantes e lanchonetes não podendo adotar o serviço interno, somente trabalhando com entregas e retiradas no balcão.