A partir do próximo sábado (21), os 75 mil presos  de Minas Gerais ficarão impedidos de receber visitas e kits de alimentação e materiais de higiene deixados por familiares. A medida, conforme a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejus), será adotada para evitar que os acautelados e os funcionários dos complexos prisionais sejam infectados com o novo coronavírus. 

"A vida em primeiro lugar", destacou o órgão ao fazer o comunicado. De acordo com o Estado, os detentos já foram informados da decisão.  "Todas as condições de visitação serão restabelecidas tão logo a pandemia do coronavírus não apresente mais riscos à população", garantiu, pedido compreensão também dos familiares dos presos.

Segurança

Com a determinação, a Sesujp espera preservar a saúde dos presos - que são grupo de risco por ficarem aglomerados em um pequeno espaço - e dos agentes penitenciários. Os trabalhadores, por questão de segurança pública, não podem fazer o isolamento social como foi sugerido, em Belo Horizonte, pelo prefeito Alexandre Kalil.

"Para proteção de toda a sociedade, não têm a possibilidade de ficar em casa e, portanto, precisam dessa proteção. Ao mesmo tempo, vale ressaltar que a população prisional tende a ser mais vulnerável ao coronavírus por questões de saúde decorrentes de condições próprias ao encarceramento".

Sobre os kits enviados pelos parentes, a secretaria explicou que a medida busca diminuir a circulação de pessoas e materiais contaminados nas estruturas prisionais, "evitando uma possível propagação do coronavírus no ambiente prisional".

Leia mais:
Testes verificam se cloroquina, usado no tratamento da malária, pode ajudar na luta contra Covid-19
Portaria detalha uso das Forças Armadas em apoio contra a Covid-19