O bloco Pisa na Fulô levou muito forró, xote, zabumba e baião aos bairros União e Dom Joaquim, na região Nordeste de Belo Horizonte, na noite desta terça-feira. As sanfonas e triângulos ecoaram pela Via 710 com o melhor do ritmo nordestino. 

Criado em 2015, a partir da integração entre alunos de música e a comunidade do bairro Carlos Prates, o grupo conta com cerca de cem pessoas.

“É uma explosão de alegria. A gente preparou o bloco com muito carinho, com intervenções artísticas”, disse uma das organizadoras do bloco, Annelisa Santos. 

Neste ano, o Pisa na Fulô também reforçou a preocupação com as questões relacionadas ao meio ambiente.  “A gente tratou da natureza, dos crimes ambientais. Do respeito que a gente tem que ter com a água, com o solo”, destacou Annelisa. 

Atraso
O desfile começou às 17h45, com uma hora e meia de atraso. Um dos motivos foi a demora para a chegada do caminhão de som. O veículo, cedido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), estava em outro bloquinho.

Nada que tirasse a empolgação das centenas de pessoas que compareceram ao local. Caso do gerente comercial Manoel Neto, de 26 anos, que deixou Palmas, no Tocantins, para ser um dos integrantes dos bloco. 

“A harmonia do Pisa na Fulô é a melhor possível. Conheci o bloco em 2016. Em 2019, larguei tudo em Tocantins para participar do bloco e não saí mais”, destacou.