Trios elétricos emprestados, mais uma estratégia jurídica e plantão já nas primeiras horas de hoje na porta do Departamento de Trânsito (Detran). Blocos de rua da capital aproveitam os últimos minutos para o início da folia na cidade para tentar viabilizar os desfiles, que já começam a ser cancelados porque trios elétricos de pelo menos 15 grupos não foram liberados pelas forças de segurança mineiras. 

Ontem, o Juventude Bronzeada, que no ano passado arrastou mais de 100 mil pessoas, anunciou que não fará cortejo em 2020. A mesma decisão pode ser tomada por mais blocos ainda hoje. 

Após reunião na Cidade Administrativa, entre foliões e órgãos do governo, a Polícia Militar garantiu que irá recolher qualquer veículo irregular durante a festa momesca. “Se não estiver licenciado pelo Detran (Departamento de Trânsito), será apreendido”, afirmou o comandante-geral da PM, coronel Giovanne Gomes da Silva.

Hoje, logo cedo, os advogados do proprietário dos carros de som retidos pelos militares no último fim de semana, e que já estavam alugados para os próximos dias, prometem já estar no Detran. 

O órgão comprometeu-se, ontem, a montar uma força-tarefa para analisar a documentação indicando que os veículos são seguros. “A nossa expectativa é que avaliem o que temos e liberem (os carros)”, frisa a defensora Laura Diniz. 

Ela adiantou que a equipe articula, ainda, uma nova estratégia jurídica, mas não quis detalhar o que seria. A primeira ação que impetrou na Justiça, solicitando a autorização para os trios elétricos apreendidos atenderem aos blocos, foi negada.

Solidariedade
A aposta para que os grupos mantenham os desfiles também passa pelo empréstimo de trios elétricos por entidades sindicais. Dois carros foram disponibilizados e já podem ser usados na noite de hoje.

Uma reunião, pela manhã, vai definir como isso será viabilizado. “Até agora, 12 blocos manifestaram interesse”, contou Kerison Lopes, organizador do Volta, Belchior.

O carro de som que atendia ao grupo chegou a ser vetado, mas, com outros três blocos, ele conseguiu alugar um veículo do Mato Grosso do Sul. “Resolvemos o nosso problema, mas é necessário ajudar os outros que estão em vias de serem cancelados”.

Para Marina Lauar, produtora do Seu Vizinho, que também foi barrado pelas forças de segurança, suspender o cortejo está fora do planejamento do grupo. “Pensamos várias coisas, mas o cancelamento, não”.

Além disso

Diretor do Detran, Kleyverson Rezende explicou que, para ser liberado, o trio elétrico adaptado precisa apresentar certificado de adequação, emitido por empresa credenciada. O veículo também deve ser inspecionado para atestar sua segurança.

Mesmo que façam todo o processo exigido, os blocos de rua não sabem se terão tempo hábil para manter a programação. Para muitos foliões, a festa na metrópole pode ser prejudicada. “A folia por aqui cresceu muito. Muita gente vem para participar do que tornou-se conhecido em todo o país”, destacou Bruno Leal Medeiros, organizador do Alcova Libertina.

A Belotur, que coordena o Carnaval de BH, foi procurada para comentar sobre como o cancelamento de desfiles de grandes blocos de rua pode afetar o evento neste ano, que tem a expectativa de ser o maior da história da cidade. O órgão, no entanto, não se posicionou.

 

Leia mais:

'Exigência surpresa' impede saída de blocos e força outros a improvisarem na véspera do Carnaval

No comando do Carnaval! Conheça algumas mulheres que regem os bloquinhos de rua de BH