Em razão da campanha do Dezembro Laranja, que visa combater o câncer de pele, o Hospital Alberto Cavalcanti promove, nesta sexta-feira (13), um multirão gratuito aberto ao público para avaliar lesões de pele e orientar as pessoas sobre a prevenção do câncer demartológico. A ação irá reunir uma equipe de demartologistas e cirurgiões para detectar as possíveis enfermidades da pele, que sugerem câncer ou podem vir a se tornar um. 

O objetivo da campanha é que os profisisonais de saúde possam rastrear casos de câncer, mas os médicos também irão passar instruções para que as pessoas reconheçam sinais importantes para um possível diagnóstico da doença. O hospital é referência em oncologia na saúde pública de Minas Gerais, e conta com uma equipe que oferece atendimentos em várias especialidades na área. 

hac

A ação irá reunir uma equipe de demartologistas e cirurgiões para detectar as possíveis enfermidades da pele

Além disso, o Alberto Cavalcanti realiza várias campanhas relacionadas à prevenção da doença, como nas campanhas do Outubro Rosa, que visa combater o câncer de mama, e o Novembro Azul, com foco no combate ao câncer de próstata. 

Tipos da doença

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), 33% dos diagnósticos de câncer no Brasil são de pele. Esse é, portanto, o mais prevalente. A cada ano, são registrados 180 mil novos casos. 

O melanoma é o mais temido dos cânceres de pele, por ter o pior prognóstico e o maior índice de mortalidade, mas não é o mais comum. São inúmeros os tipos de lesões. O mais frequente é o carcinoma basocelular, que geralmente acomete a região da cabeça (couro cabeludo, face, orelhas) e se apresenta como uma pequena ferida que não se cicatriza, por exemplo. Outras lesões que devem ser observadas, principalmente nos pacientes acima dos 40 anos, são aquelas que crescem rapidamente, mudam sua aparência e não melhoram.

O câncer de pele não é muito comum em crianças e adolescentes; a maioria dos casos ocorre na faixa etária acima de 30 anos, em pessoas que tiveram um histórico de exposição solar significativo na infância e continuaram a ser expor frequentemente sem proteção adequada. Nesses casos, as chances são maiores naquelas que têm a pele clara.

Porém, como explica o dermatologista do HAC Marcus Henrique de Sousa Brito Xavier, é um equívoco pensar que o câncer de pele só aparece em regiões do corpo que ficam mais expostas ao sol. “As lesões podem ser nas plantas dos pés, por exemplo, ou em qualquer parte do corpo, inclusive na unha. Se a pessoa tem listras negras na unha, uma micose que não se cura, é bom observar”, alerta o médico. 

Pacientes com imunossupressão, em tratamento quimioterápico, que foram transplantados, com síndromes genéticas e exposição a algumas substâncias, como alcatrão, piche de asfalto, carvão e petróleo também estão sujeitas ao câncer de pele. A hereditariedade é outro fator considerado. 

SERVIÇO

Multirão gratuito para avaliação de lesões de pele

Onde: Hospital Alberto Cavalcanti - Rua Camilo de Brito, 636, bairro Padre Eustáquio. 

Quando: 13/12/2019 

Horário: 13h às 19h 

*Com Caio Augusto, estagiário sob supervisão de Cássia Eponine.

Leia mais:

Combate ao câncer de pele: você sabe fazer um autoexame? Especialista explica em vídeo
Mutirão fará diagnóstico precoce de câncer de pele em todo o país