O rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, completa oito meses nesta quarta-feira (25). O desastre, que chega a 244 dias, ainda não foi esclarecido pelas autoridades e segue sem punição.

Até o momento, 13 pessoas da mineradora Vale e da TÜV SÜD, empresa que atestou a estabilidade da estrutura, foram indiciadas pela Polícia Federal por falsidade ideológica, previsto na Lei de Crimes Ambientais. A investigação continua para apurar se houve dolo. Por enquanto, ninguém foi preso.

A tragédia em Brumadinho deixou 249 pessoas mortas e outras 21 desaparecidas. O trabalho de resgate em meio ao mar de lama prossegue e é a maior operação do tipo no Brasil. Desde às 12h20 do dia 25 de janeiro as buscas seguem ininterruptas pelo Corpo de Bombeiros.

Nesta quarta-feira, 149 militares estão empenhados na operação. Eles vasculham os rejeitos com o auxílio de 166 máquinas e contam, também, com a ajuda de um drone, que sobrevoa a área atingida pela lama. Os trabalhos da corporação estão divididos em 18 frentes.

A Vale informou que, após oito meses da tragédia, está realizando repasses emergenciais mensais para mais de 107 mil pessoas, além de "garantir moradia, água, alimentos, medicamentos, apoio médico e psicológico, roupas, transporte e projetos sociais de desenvolvimento socioeconômico às comunidades".

A empresa disse, também, que direcionou recursos para suporte aos municípios e instituições públicas estaduais, garantiu cuidado com a fauna e está empenhada em remover os rejeitos. Além disso, três barragens da mineradora com risco de se romper estão sem descaracterizadas.

Indenização

Na semana passada, a Justiça mineira concedeu a primeira sentença em ação individual contra a Vale por causa do rompimento da barragem em Brumadinho. A mineradora foi condenada a pagar quase R$ 12 milhões em indenização às famílias de dois irmãos e de uma mulher grávida na tragédia. A decisão é do juiz Rodrigo Heleno Chaves após cinco meses de tramitação da ação.

Sobre a sentenção, a Vale informou que fez um acordo com os Ministérios Públicos Federal e Estadual, Defensorias Públicas da União e do Estado e Advocacias do Estado e da União para pagamentos de indenizações emergenciais a todos os moradores de Brumadinho e aos residentes a até 1 km da calha do Rio Paraopeba por um ano, a partir de 25 de janeiro.

"Até o momento, mais de 107 mil beneficiários já recebem a ajuda emergencial no valor de um salário mínimo por adulto, ½ por adolescente e ¼ de salário mínimo para criança", frisou a mineradora.

Desastre

A barragem Mina Córrego do Feijão, localizada a 57km de Belo Horizonte, rompeu-se às 12h20 do dia 25 de janeiro. Era uma sexta-feira e, como a tragédia aconteceu na hora do almoço, muitos funcionários da Vale estavam no restaurante da mineradora.

O local foi um dos pontos que foi varrido pelo mar de lama, que também tomou conta de estradas, de parte do rio Paraopeba e de um povoado próximo.

Leia mais:
Obras para conter lama de barragens em risco podem levar moradores de volta para casa
Justiça determina que instituições identifiquem vítimas de indenização emergencial em Brumadinho
Macacos, Barão de Cocais e Itabirito terão obras para conter lama em caso de rompimento de barragens
PF indiciou funcionários da Vale e da Tüv Süd por produção de documentos falsos