As chances da barragem Sul Superior, da Mina do Gongo Soco, em Barão de Cocais, se romper, são de 10% a 15%, com a queda do talude da cava da estrutura. A informação foi dada pelo secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais, Germano Vieira, a partir de um estudo realizado por auditoria externa. 

O rompimento do talude, estrutura inclinada que dá sustentação à cava da mina, irá ocorrer nos próximos dias, conforme as autoridades estaduais. Coordenadores de Defesa Civil de 60 municípios mineiros que estão próximos a barragens estão reunidos, nesta manhã, na Cidade Administrativa, para discutir ações preventivas e emergenciais de segurança. 

“É um fato grave. Ocorrendo esse deslizamento não é possível precisar se será todo de uma vez, ou se será em parte, em vista disso estamos fazendo monitoramento 24h. Existem dois impactos negativos desse desmoronamento: um deles pode ser a vibração na barragem [Sul Superior], que está mais ou menos a 1 km, 1,5km da cava da mina. Essas vibrações podem ser o gatilho para um procedimento de liquefação, o que poderia levar ao colapso da estrutura. Outro evento negativo seria a água que estar na cava ser expelida”, detalha Vieira. Caso a água saia da estrutura, ela não irá em direção à barragem, mas pode atingir o leito dos rios. 

O governador Romeu Zema classificou o momento pós-Brumadinho como “o pior possível”. “Pior do que um fato ruim é a possibilidade de um fato ruim acontecer. Pior do que ser reprovado numa prova é estar para fazer a prova e não saber o resultado. Infelizmente é esse momento que estamos vivendo em Minas. Com o talude que está se movimentando e não sabemos se vai romper [a barragem de Barão de Cocais]”, disse. 

Zema ainda reforçou que o Estado não vai eliminar a atividade mineradora, mas torná-la segura. “A mineração sempre foi parte do nosso Estado. Temos de melhorar o monitoramento das barragens e ter ferramentas que tornam essa atividade mais segura”, disse.

Plano de Segurança

O evento e a possibilidade de risco em Barão de Cocais são algumas das motivações para a convocação dos coordenadores de Defesa Civil dos municípios. Segundo o chefe do Gabinete Militar do Governador, coronel Evandro Borges, o workshop, que dura até o fim do dia, buscará alternativas para “capacitar, treinar e obter uma resposta efetiva na gestão de risco” realizada pelas cidades. A fiscalização dos planos de segurança e o treinamento da população que vive em áreas que poderiam ser afetadas também serão discutidos. 

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Edgar Estevo, ressalta que serão revistas e aperfeiçoadas estratégias preventivas e emergenciais como alertas, alarmes e prazos para que os simulados de evacuação das áreas de risco ocorram. Além disso, a corporação estuda dar detalhes do movimento do rejeito decorrente do possível rompimento de barragens.

Arte Barão de Cocais

Leia mais:
Mortos em Brumadinho sobem para 241; buscas por desaparecidos prosseguem no 116º dia
Vale garante segurança de trabalhadores na construção de muro em Barão em caso de rompimento
Em vídeo, Vale detalha situação de risco em Barão de Cocais; assista
Talude de barragem em Barão de Cocais pode se romper a qualquer momento, dizem autoridades