Seis integrantes de uma organização criminosa envolvida em explosões a caixas eletrônicos em Francisco Sá, no Norte de Minas, foram condenados a penas que variam de 30 anos e oito meses a 35 anos e quatro meses de prisão. Outros dois integrantes estão foragidos. 

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a atuação da organização criminosa foi constatada após investigações das polícias Civil e Militar, sob coordenação do Ministério Público de Minas (MPMG), através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na regional Montes Claros, e da Promotoria de Justiça de Francisco Sá. 

A quadrilha era composta por oito integrantes, mas dois deles, também denunciados, estão foragidos e tiveram a condenação suspensa.  

Segundo o TJMG, ao analisar os elementos processuais, a Justiça entendeu haver muitas provas da prática, por cada um dos integrantes do grupo, dos delitos de organização criminosa, explosão com fim de obtenção de vantagem financeira, roubo qualificado e latrocínio tentado contra diversas vítimas, motivo pelo qual a condenação individual superou a faixa dos 30 anos de prisão.

Delitos 

A organização criminosa, segundo o processo, era voltada especialmente para a prática dos delitos de explosão a caixas eletrônicos e ataques a agências bancárias no Norte de Minas Gerais. 

Em uma das ações, registrada no dia 29 de setembro de 2017, os réus e seus comparsas foragidos, fortemente armados, deslocaram-se ao município de Capitão Enéas, onde renderam transeuntes e passaram a explodir os caixas eletrônicos da agência do Banco do Brasil do município.

Durante a ação, os criminosos chegaram a atirar contra a unidade local da Polícia Militar, tentando impedir uma reação das forças de segurança pública. Além disso, atiraram também contra residências situadas nas imediações da agência bancária.

Em seguida, os criminosos fugiram por estradas vicinais sentido Montes Claros, mas se depararam com uma viatura da Polícia Militar, trocando tiros e empreendendo nova fuga por uma mata, após se acidentarem com o veículo. Um dos criminosos foi baleado e não conseguiu escapar, sendo detido e preso no local em que o veículo foi abandonado.