A escalada da intolerância e da violência política no Brasil tem tomado proporções assustadoras durante o período eleitoral. Segundo dados do Mapa da Violência Política no Brasil, criado pelo jornalista Haroldo Ceravolo para monitorar esses crimes, só no mês de outubro, cerca de quatro casos são registrados por dia em todo o país. 

Em Minas, a Polícia Civil investiga o caso de uma jovem que teria sido agredida na Pampulha, em Belo Horizonte, depois de afirmar que não votaria no candidato Jair Bolsonaro (PSL).

E para discutir esses episódios, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG, marcou uma audiência pública para esta terça-feira (23). “Já tivemos mais de 60 casos registrados de agressões em todo o País desde o início da campanha, inclusive com mortes. Há muitos outros casos que não foram denunciados até porque muitas dessas vítimas temem ser perseguidas. Não podemos permitir que divergências políticas e partidárias sejam motivos para crimes. Não queremos ser o país da intolerância”, afirmou o deputado Cristiano Silveira (PT).

Ainda de segundo o parlamentar, é importante chamar a atenção das autoridades para esse fenômeno da violência. “Agressores não podem ficar impunes, pois isso seria uma forma de legitimar esses ataques”, disse o deputado.

O debate está previsto para acontecer no Auditório da ALMG, a partir das 15h30.

Leia mais:

Mais de 50 casos: escalada da violência política assusta e grupos passam a mapear ocorrências
Mulher afirma ter sido agredida na Pampulha após dizer que não votaria em Bolsonaro
Mais de 120 jornalistas são agredidos ao cobrir as eleições de 2018
Twitter teve 2,7 milhões de postagens sobre divergências políticas